Longa vida ao Programa Freestyle - #submundodosom

Posts

terça-feira, 31 de janeiro de 2017

Longa vida ao Programa Freestyle


Foi num sábado, precisei deixar o conforto do lar e ir trabalhar. No meio da semana já era comum conectar o fone de ouvido e curtir um som, a fonte, o bom e velho YouTube, mas no sábado é diferente, digamos que tenho mais “liberdade”.

Vi um vídeo que me chamou a atenção, era a entrevista do Renan Inquérito, como sou fã do grupo dei play na parada. O vídeo começou fazendo uma brincadeira com o termo “Mudança”, que também (e por isso foi usado) nome de um disco do Inquérito. O mano que conduziu a entrevista foi Marcílio Gabriel, um jovem, negro, conhecedor dá cultura hip hop e amante do rap nacional, logo de cara me identifiquei com o apresentador, mas como o YouTube te leva de um vídeo a outro, a próxima entrevista era com a lenda Black Alien, num puta bate papo monstro. Logo percebi os vídeos do lado, a lista era extensa de pesos pesados do Rap Nacional: DMN, Emicida, PMC, DJ Nato PK, MC Jack, Rhossi Pavilhão 9, DBS. Os vídeos foram consumidos um atrás do outro, sem dó, sem pausa. O sabadão de trampo passou que nem percebi.

 Imagem surrupiada do site Meia Horinha, onde o mano Marcílio concedeu uma entrevista sobre o Programa Freestyle

A inicial identificação com o Marcílio Gabriel se solidificou, as histórias do maluco são parecidas com as minhas, um fato se dá pela idade (sem querer te caguetar Marcílio!!!😂), mas temos por volta de 30 aninhos, e quando ele comentou que anos atrás, no início dos anos 2000, antes dá acessibilidade de hoje da internet, os canais de Rap eram o programa Espaço Rap da rádio 105,1 FM, a revista Rap Nacional, única nas bancas, e Tô MTV, que aqui no interior de SP era só pra quem tinha parabólica. E principalmente quando o Marcílio lembra do Espaço Rap que a sintonia fica mais clara:

"Quando esperávamos tocar aquele som, que as vezes tocava só no finzinho do parte 2, e ai eu pensava “é agora”, apertava o REC, e ai vinha a vinheta: “Fazendo eco em Sampa, eco em Sampa, em Sampa…” e aquilo pegava uns 30 segundos da música."

Identificação pura, passei por isso inúmeras vezes na época dá fita K7.

O Programa Freestyle me apresentou diversas personalidades do Rap Nacional que eu não conhecia ou não queria conhecer, mas daí com a ótima condução do Marcílio me abriu a mente, assim me aproximei dos trampos de Ogi, Mzario, Drika Barbosa, Rashid, Rocha, Don Cesão e dentre outros, como também duma galera que conhecia não pelo rap, ou, (peço perdão pelo termo) rap “sério”, como o Ronald Rios, Comes e Raps e Fábio Brazza.

O Marcílio tem uma network vasta no rap, mas além disso tem uma história no movimento hip hop, o Programa Freestyle, antes desse formato de TV, no YouTube, era um formato de rádio, em podcast, já que o maluco trampava em rádio (89 a rádio rock). É toda essa vivência na música trouxe um quadro para o programa, o “Contos do Rap” onde o entrevistado, (de outra entrevista, não da entrevista que tá rolando o vídeo, saca?) conta uma história inusitada, marcante, engraçada ou curiosa que envolve o entrevistado ou alguém próximo e que tenha relação com o rap, só pra citar uma, o Renan Inquérito lembrou que foi gravar a música “Mister M”, onde lembra de vários loucos que começam o nome com a letra “M”, e enquanto ele cantava, lá da cozinha a mãe do cara do estúdio, gritou: “e o Michael (Jackson)?”, ai o Renan lembrou que era o ano de falecimento do cantor, e o acrescentou na letra.

O Programa Freestyle tem uma estética, inicia com uma brincadeira com o entrevista, em alusão a algo dá carreira, como nome de fisco, de canção da banda ou do cantor, logo vem a vinheta de abertura, depois a entrevista é conduzida, no meio do bate papo há uma pausa para o “Contos do Rap”, depois mais entrevista e por fim o entrevistado deixa um presente pro Programa Freestyle, algo que vai compor o cenário, um disco, um pôster, bandeira livro, etc.

Através do Programa Freestyle, conheci outros trabalhos, outros programas de entrevista com foco no hip hop, como o Segura os BO, do Max e o Meia Horinha, aumentando o leque de meios de comunicação do rap, que não são só mais aqueles citados a cima.

Confira a chamada do programa:

 Acesse o Youtube a assista a todos os videos, morô mano?

Nenhum comentário:

Postar um comentário