Entrevista com GOG - #submundodosom

Posts

quarta-feira, 29 de março de 2017

Entrevista com GOG

O rolo compressor, G.O.G o gladiador, um dos pioneiros da cultura hip hop, com longa caminhada no rap, a favela batizou Genival Oliveira Gonçalves de poeta, autor de uma discografia vasta, de um senso comum, de pensamento critico e caneta feroz, e com uma longa caminhada no rap e é capaz de se reinventar a cada trampo novo se mantendo atual num cenário de constante mudança, GOG é o terror, é o crime, é o incendiário, é poesia pura, pulsante, e o mestre trocou uma ideia de rocha com o Submundo do Som pra falar de carreira, música, politica, literatura, cinema, como  o próprio poeta rimou: "EU SOU MAIS UM PARCEIRO DESSE SUBMUNDO, TRAZENDO A TONA NOTÍCIAS OUÇAM POR ALGUNS SEGUNDOS":

Submundo do Som - O GOG dispensa apresentação, mas pra seguir o protocolo: Quem é o GOG? Qual que é a correria do GOG?

GOG - GOG é um amontado de gente se expressando, tendo voz, se fazendo presente.
A correria é cada vez mais, ser voz de mais gente!

Submundo do Som - O GOG tá na estrada a uma cara, já viveu bons e maus bocados, rolou uma conversa de se aposentar, o que passou na cabeça do poeta?

GOG - Quando se pensa em si, toma-se decisões individuais. Quando se pensa no coletivo as decisões são equilibradas. A real é que tenho ainda muito a contribuir.
Sem essa de aposentadoria, além do mais, o vinil nos faz eternos!

Submundo do Som - Qual a diferença do GOG que lança o CD ‘Genival Oliveira Gonçalves’ com incríveis arranjos, poesias apuradas e que transita na MPB com o GOG de 1990, no selo Kaskata’s? Como o poeta vê essa caminhada?

GOG - A diferença principal é o acúmulo de experiência, a vivência. São fatores que definem o jogo. Bases, beats, produções são estações do trem, e independente da estação o importante é o conhecimento que ela transmite. Na real, a música é só uma armadilha, um vestuário dos temas.

Submundo do SomO último trabalho, intitulado ‘Genival Oliveira Gonçalves’, é um disco mais refinado, musicalmente falando, dá pra ver que foi posto o coração em cada letra, cada verso, cada instrumental. A tendência é evoluir, essa foi a evolução musical do GOG, mais harmônica, mais música orgânica em cima das batidas?

GOG - Não necessariamente. Gosto muito de boom bap, “É o Terror” , é o um dos primeiros, e meu novo trabalho terá vários. Trabalhar com músicos, batidas harmônicas, complexas é maravilhoso, mas, sinceramente gosto mais do menos que é mais... da intimidade DJ – MC, a essência que trouxe a revolução.
 Submundo do SomNos anos 90 era muito comum as batidas do rap serem samples de músicas, como por exemplo foi o trampo dos Racionais, Sobrevivendo no Inferno, que trás muitas referências principalmente a música negra americana. Hoje é comum a cultura do beatmaker, que produz os seus bits numa MPC ou num computador. Como o GOG vê essa mudança?

GOG - Eu sou um caminhão de mudanças, carrego tudo, sabendo que outra vida vai se iniciar em outro espaço. Os avanços tecnológicos são sempre bem-vindos e eu me relaciono muito bem com isso.

Submundo do SomComo o poeta vê a atual cena do rap hoje?

GOG - Muitos talentos!
Na real são várias cenas. As batalhas que se multiplicam, as novas formas de relacão com o ciclo da música, tudo isso me encanta!
Gosto muito dos trabalhos do Diomedes Chinaski, Baco Exu do Blues, Drika Barbosa e do Djonga.

Submundo do Som - O DVD “Cartão Postal Bomba” foi um dos primeiros do rap nacional, com a devida estrutura e nomes de peso, como foi aquele momento pro GOG?

GOG - Foi gravado em 2007 e lançado em 2009.
Totalmente autogestivo, sem dinheiro público e com grandes parcerias da cultura da cidade. A Jenny montou um time de peso!

A “célula mãe” do CPB foi minha participação no Acústico MTV – Lenine. Aprendi muito, conheci na gravação artistas como Chico César, Igor Cavalera e Vanessa da Mata que foram até meu camarim, simplesmente para dar um forte abraço e desejar boa sorte na gravação. Isso mudou meu modo de relacionar com outros territórios musicais, o que culminou com o DVD.

Submundo do Som - Como que você vê o fato de ter “apadrinhado” nomes que estão fazendo eco no rap e na música de modo geral, como A Família, Rapadura, Lindomar 3L e Ellen Oléria?

GOG - Com naturalidade. Sempre pensei que talento se apresenta, não se aprisiona.
Submundo do Som - Quem que o GOG pode citar, de artistas, pra galera que tá procurando um som novo pra ouvir?

GOG - MOVNI e Thabata Lorena são dois trabalhos do DF que gosto muito, mas tem muito gente. Conheci alguns coletivos, com estúdios, vários beat makers, excelentes letristas. O DF e a Grande Brasília estão com uma geração ouro!

Submundo do SomVi uma entrevista do poeta para o mano Fila Benário, do blog fbenariomusic.wordpress.com, e lá o maluco perguntou da relação do GOG com o Chorão, Charlie Brown Jr, essa pergunta é importante porque o Submundo do Som é voltado pra músicas irmãs como o reggae, o rap e o rock. Fala um pouquinho dessa relação com o Chorão.

GOG - O Chorão foi um parceiro leal, tinha uma grande admiração pelo meu trabalho e vice versa. Creio eu que com a sua presença aqui, entre nós, a música underground estaria ainda mais fortalecida. Mas a vida nos traz gratas e ingratas surpresas, que descanse em paz, ele contribuiu muito!

Submundo do SomMestre, falar de rap é como falar de politica, ainda mais falando das suas letras. O que o GOG vê nesse atual momento politico do Brasil pós golpe?

GOG - Vejo uma grande oportunidade de reestruturação para além da esquerda partidária. Vejo uma oportunidade dos movimentos sociais se unirem em rede, se fortalecerem na base e escrevermos a nossa Diss! Nossa canção coletiva de descontentamento.

Submundo do Som - Li numa entrevista sua que seu nome tava cotado para ser Ministro do Governo Dilma, que ministério que era? Você seria ministro GOG?

GOG - Sim. Ocorreu, fui cotado para comandar a SEPPIR* e recebi também o convite do Secretário Nacional de Juventude para Coordenar o Plano Juventude Viva. Eu não aceitaria, mas conversei com minhas bases, ouvi todos e todas. Ao final reforcei minha decisão e agradeci o convite.

Eu sempre pensei em ser “o fogo que aquece a água da chaleira”, estar na base, sei que o que vai definir o jogo, no “pais da bola”, é a “bolinha duzoi!”

*Secretária de Politicas de Promoção da Igualdade Racial (Criada no governo Lula em 21 de março de 2003 e extinta pelo "governo Temer em outubro de 2015) - Jeff Ferreira

Submundo do SomVocê acha que existe uma divisão ideológica hoje no Brasil, que estamos rachados como pais?

GOG - Sempre estivemos rachados ideologicamente, mesmo aqueles que não conhecem o conceito de ideologia, pois sofrem a ação direta delas. O momento é de ânimos exaltados, de disputa de espaços e governabilidade, baseados na ideologia dos grupos. Isso não resolve, só agrava a situação.
A saída é pra dentro!

Submundo do Som - E a indignação seletiva? Há que fato se dá isso na opinião do poeta?

GOG - O sistema não poupa ninguém. Não vejo os excluídos do sistema e sim os mau incluídos, que são peças essenciais para que engrenagem funcione.
A indignação seletiva dá-se por falta de conhecimento do todo, por não se perceber também utilizado como peça da engrenagem, e ter impressão de que só os “cidadãos de bem e de bens” são dignos das “benesses do sistema.”
O avião é um meio de transporte maravilhoso, o problema não está no avião, mas no fato de nem todos poderem viajar de avião.

Submundo do Som - O que o rap, o movimento hip hop deve fazer nesses tempos difíceis?

GOG - Construir, desconstruindo...
Construir estruturas físicas e mentais e desconstruir conceitos seletivos e outras armadilhas. Enfim, trabalhar...

Submundo do SomO GOG já cantou Che, um deu um salve pra toda América Latina, já narrou o MST, fez a Guerrilha G.O.G, biografou Malcolm X, deu a letra pro FHC, que só parecia um defensor da foice e do martelo, além, é claro de sempre denunciar esse sistema nojento capitalista, o rap do GOG é revolucionário, qual é a escola de pensamento politico, a linha de raciocínio ideológico que o poeta segue? Quais os nomes que inspiram?

GOG - Hoje continuo a ler bastante, pesquisar, ter acesso ao conhecimento. Mas o que define o jogo é a “bolinha duzoi” a necessidade que vejo em cada pessoa que encontro de melhorar, de viver. Isso vale mais que qualquer coisa.

 Submundo do SomE musicalmente falando? Quais artistas inspiram o mestre GOG?

GOG - A música é sempre inspiradora, mesmo aquelas com as as quais não me identifico, por me mostrar que caminho não tomar. Música é universal, ser seletivo é reproduzir a clausura sistêmica. Há acerto no erro e vice versa.

Submundo do SomA televisão, ou melhor, a grande mídia opressora, qual o recado para ela, ou para o público que espera o GOG um dia lá?

GOG - Pra ela não tenho o que dizer, porque ela não vai mudar, nasceu pra cumprir um papel que desempenha muito bem. Meu recado é para as pessoas: procure meios que sejam realmente de comunicação, com os quais você possa interagir, divergir. A Tv só fala, só transmite, não acredito nela, nem em gente que age assim.

Submundo do SomA Rima Denúncia, um dia não me contive de alegria de receber esse livro pelo correio, veio autografado, li em dois dias. Quando veremos o GOG escritor de novo na cena?

GOG - Temos projetos. O professor Nelson Maca me propôs uma biografia. Falei: vamos sim professor, você terá a missão de ouvir afetos e desafetos. Creio que vá demorar um pouco, pois tem muita história ainda.

 Submundo do SomE o GOG ator? Muitos manos não tão ligado, mas o Genival já foi Genésio, como foi trabalhar no curta Procura-se? Tem desejo de fazer outros trampos no cinema?

GOG - Um Filme para o público infantil. Interpretei um carroceiro, que tinha o nome do meu pai, Genésio. Foi muito boa a experiência, mas eu fui praticamente eu mesmo nas cenas. Quero futuramente interpretar gente que não tenha nada a ver comigo.
O curta ganhou prêmios e o Diretor, Iberê Carvalho viajou o mundo. Muito gratificante.

Submundo do Som - Na música Vaidade, do último álbum, o poeta vai buscar inspiração no Pernambuco, com Zé Brown e Kalyne Lima, e cita Chico e Nação Zumbi, Mundo Livre e Bolla 8, que inclusive soube que o G.O.G vai fazer uma participação no próximo disco do Combo X, como é essa relação com os músicos citados?

GOG - Nossa, queria muito fazer um som com Kalyne Lima e Zé Brown e “Vaidade uma produção do DJ Guirraiz trouxe essa oportunidade, eles tem vocais e letras muito fortes, contundentes e que emocionam. Sou nordeste de corpo e alma!
Já participar do Combo X, tem um sabor muito especial, sinto-me pertinho de Chico Science. Gilmar Bolla 8 é um parceiro de primeira chamada e Miza foi a amiga que possibilitou esse encontro musical, adorei os arranjos o vocal de Gilmar, um som que promete!

Submundo do Som - Ainda falando sobre nordeste, o GOG ouviu a polêmica “Sulicidio” do Baco Exu do Blues e do Diomedes Chinaski? O que achou da música?

GOG - Menos Diss, mais debate.
Porém vejo um grito que estava entalado na garganta os nordestinos nessa letra.
Agora, o respeito deve prevalecer, mesmo nos momentos exaltados.

Submundo do SomFalando em Nordeste, o GOG é piauiense mas nasceu em Sobradinho? Como é essa história?

GOG - Nasci na cidade de Sobradinho, 15 dias que mamãe chegou, vinda do Piauí, onde vivia.
Reivindico a dupla naturalidade!

Submundo do Som - Fala um pouquinho da música “Desconstrução”, que além de uma releitura de Chico Buarque é uma pedrada. Como foi o processo pra compor essa música?

GOG - Queria fazer algo com a obra de Chico Buarque.
Achei no clássico “Construção” essa oportunidade.
Transportei para outra dimensão, o que Chico escreveu.
A interpretação de Victor Vitrola completou a transição.
Chico Buarque, ouviu, gostou e teceu elogios.
A sensação é de dever cumprido.

Submundo do Som - O que o GOG ainda pretende viver como rapper?

GOG - Sou um moleque com alguns cabelos brancos...
Pergunte pra molecada, quero viver o mesmo.

Submundo do Som - O que podemos esperar de novo do poeta?

GOG - Velhos temas e novas embalagens.

Submundo do Som - Pra quem curte tua carreira que mensagem você deixa pra rapaziada?

GOG - A nossa parceria vai para além da música. A nossa identidade acontece pelo respeito e carinho mútuos. Estaremos sempre juntos!

Submundo do Som - E pra quem quiser falar com o GOG? Saber mais do poeta? Quais os canais? Como te achar?

GOG - Email: familiagog@yahoo.com.br
Insta, face e twitter: gogpoeta
Youtube: GOG – Inscreva-se no nosso canal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário