Entrevista com Dory de Oliveira - #submundodosom

Posts

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Entrevista com Dory de Oliveira


A Rapper paulista Dory de Oliveira vem de Itaquera trocar uma ideia com o #SubmundoDoSom, pra falar da sua correria no rap nacional, da sua militância no rap feminino e suas letras ousadas, criativas e inteligente. Nesse bate papo falamos sobre influências, inspiração, sonhos, projetos e sobre a cena do rap nacional, confira:

Submundo do Som - Quem é a Dory de Oliveira? Qual é a correria da guerreira? 

Dory de Oliveira - Dory de Oliveira é uma rapper da periferia de Itaquera, nascida em 1985, que sempre teve a música como referência, seu contato com a música aconteceu muito cedo vendo o pai tocar moda de viola, a correria se iniciou mesmo dos 14 anos pra frente quando descobriu que tinha o dom de compor, fazer poesias e interpretar as músicas de grandes artistas.

Submundo do Som - Quais as inspirações para o seu rap? Quais os grupos e estilos musicais que influenciam?

Dory de Oliveira - A Luta das mulheres, a história do povo preto, a vivencia periférica, os desafios que as lésbicas enfrentam de gerações em gerações me inspiram muito a querer lutar e dar continuidade a nossa história.

Submundo do Som -  Além do rap, o que passa na play list da Dory de Oliveira?

Dory de Oliveira - Leandro Lehart, Milton Nascimento, Adriana Calcanhotto, Elis Regina, Xis, DMN, Emicida, Stefanie Roberta, Billie Holiday, Lauryn Hill, Rincon Sapiência e Audio Combo.

Mpb, Samba, Rock, Blues

Submundo do Som - Como a família reage sabendo dos corre no hip hop? 

Dory de Oliveira - A família sempre reagiu de uma forma positiva me dando total apoio, me incentivando a não parar mesmo nos dias bons ou ruins. Tanto que minha irmã Angela Oliveira que me levou pro mundo do rap e me acompanhou desde o início, hoje faz parte da minha produção e assessoria.
 
Submundo do Som - Por que você resolveu entrar no rap? O que te inspirou?

Dory de Oliveira - Essa é uma das perguntas que eu mais respondo há 17 anos, foi através do show do rapper Xis aqui no meu bairro e logo eu pensei " É isso que eu vou ser".

Submundo do Som -  Como foi trampar com o DJ Erick Jay, um monstro das pickup’s, ganhador de vários prêmios?  

Dory de Oliveira - Foi um aprendizado trampar com o DJ Erik Jay na época e fazer parte do primeiro grupo de rap dele, só que cada um com o passar do tempo seguiu o seu caminho, mas fico feliz por ele ter conseguido realizar seus sonhos e se tornar um dos melhores dj's do mundo.

Submundo do Som - Como você vê o rap hoje em dia?

Dory de Oliveira - Um mercado que cresceu bastante com o passar do tempo, que revelou e vem revelando grandes talentos, mas também muita briga de egos e oportunistas, que não tem a essência da parada e acabam fazendo rap apenas por fama e dinheiro. Eu mesma costumo afirmar que a grande parcela de culpa é do publico, dos produtores e da mídia, que dão muita atenção pra músicas e artistas descartáveis e enquanto isso grandes talentos continuam no anonimato. Eu vejo rap como um jogo de interesses! 

Submundo do Som - O rap dos anos 90 era mais “gangstar”, falava sobre as dificuldades das áreas carentes e esquecidas e da violência policial. Hoje em dia, os temas diversificaram, temos rap romântico, rap pra balada, rap de reflexão pessoal, cabe tudo nas letras de rap hoje em dia?

Dory de Oliveira - Sim, não só no rap de hoje, mas desde que o rap é rap sempre teve essa riqueza de temas e de informações . O rap é um estilo tão foda que ele acaba te dando a liberdade de escrever desde sons de protesto, a romântico, a balada e temas mais comerciais como vemos muito hoje em dia, naquela época nós não escutávamos com tanta frequência, tinha uma ou duas rádios específicas que tocava rap, hoje em dia basta trocar a sintonia que tem rap brasileiro tocando, inclusive tema de novela.

Submundo do Som - Ainda com relação ao som dos anos 90, antes tínhamos o DJ que fazia a pesquisa com samples pra fazer as batidas, hoje temos beatmakers que fazem todo o instrumental de maneira mais rápida e fácil nos computadores, com os timbres que desejam e etc. Como você vê essa fase do rap? Está mais fácil produzir uma música? Está mais fácil fazer rap?

Dory de Oliveira - Hoje o acesso com certeza se tornou mais fácil, com as redes sociais o contato com produtores e dj's é bem mais rápido, só que uma coisa que eu observo é que existe vários tipos de programas para serem baixados, através disso várias pessoas passaram a se rotular produtores musicais e beatmakers, sem se quer ter a noção de estudos musicais, acabam soltando muita coisa sem qualidade e por um preço bem baixo. Está fácil fazer rap, o difícil é permanecer nele!

Submundo do Som - Em 2017 o rap está mais forte que qualquer outro ano atrás?

Dory de Oliveira - Definitivamente não! 
 

Submundo do Som - Quais as mulheres do rap te inspiraram pra chegar até aqui? E quais as mulheres, de modo geral, na história de inspiraram também?

Dory de Oliveira - Vou citar algumas porque são muitas...
Gosto do trabalho dessas minas do rap, Stefanie Roberta, Amanda NegraSim, Yzalú, Cris Snj, Brisa Flow e de modo geral, minha Mãe Dona Natalia, Dandara, Joana D'Arc, Angela Davis, Olga Benário, Carolina de Jesus, Rosa Parks.

Submundo do Som - Não dá pra separar, quando falamos de rap, automaticamente falamos de politica, por que as letras são de denúncia, são de problemas sociais, o que a Dory de oliveira tem pra opinar?

Dory de Oliveira - Não da pra deixar de falar de problemas sociais porque eles sempre vão existir e automaticamente uma coisa liga a outra, assim como a denuncia, liga política, ao sistema, a justiça que é a tecla que o rap de protesto mais bate, é cobrar o que nos foi tirado e levar informação aos desinformados e dar voz aos que não tem. Estamos vivendo uma fase de um governo ilegítimo, querem fazer o nosso povo voltar a tempos de retrocesso e agora mais do que nunca essas letras de protesto tinham que estar em destaque, não é tempo pra escreve sobre "bundalelê".

Submundo do Som - O que falta pro rap hoje em dia?

Dory de Oliveira - Falta mais oportunidades, mais espaço pra quem vem caminhando há um bom tempo, assim como eu e tantos outros, que tem contribuído com o rap e não tem o valor merecido em todos os sentidos. Faltam também mais mídias direcionada somente para o público do rap (tv,rádio e etc) assim como existe pra outros estilos musicais.

Submundo do Som -  Você é uma militante tanto do movimento negro, como do feminismo, o rap é hoje é machista? Ou já foi machista?

Dory de Oliveira - Sempre foi e sempre será, não sei se na mesma medida, mais continuará sendo, assim como a nossa sociedade, infelizmente o machismo é algo cultural, mais aos poucos estamos avançando para destruir essa droga sexista!
 

Submundo do Som - É mais difícil para as mina fazer rap? E rola preconceito do movimento defendendo, também, a bandeira lesbica?

Dory de Oliveira - Não só no rap, mais é difícil pra mulher, ser mulher em todas áreas e o preconceito também sempre vai existir, e sempre tive a noção que eu sendo mulher, preta e lésbica ele viria em dobro. Eu levanto minhas bandeiras porque é o que eu sou e o que eu vivo e eu não vou retroceder os inimigos querendo ou não!

Submundo do Som - Quais minas que fazem um rap da hora que você pode citar aqui pra galera que ainda não ta ligado num rap feminino?

Dory de Oliveira - Bia Doxum, Clara Lima, Coletivo Mulheriu Clã, Priscila Fênix, Rap Plus Size, Rimas & melodias entre outras...

Submundo do Som -  E no geral, o que pode indicar de boa música ai pra rapaziada?

Dory de Oliveira - Música com conteúdo (risos)

Submundo do Som - Quais os sonhos que a Dory ainda quer realizar como rimadora? 

Dory de Oliveira - Sonho em fazer sucesso dentro do estilo musical que eu escolhi, sonho em dar uma vida melhor para minha família através do meu trabalho e sonho em abrir uma produtora para dar oportunidade pra novos talentos.

Submundo do Som - Uma mensagem para pessoas que acompanham o corre da Dory de Oliveira.

Dory de Oliveira - Agradeço pelo carinho e respeito de todos que acompanham direta e indiretamente o meu trabalho, pelas mensagens recebidas de todas as idades, que só me inspiram e me alegram. Obrigada!!! 
 
Submundo do Som - Deixe ai os contatos para quem quiser trocar uma ideia contigo.

Dory de Oliveira - Email para contato: contatodory517@gmail.com

Página Oficial: https://www.facebook.com/dorydeoliveiraoficial/


Fã Clube Oficial: https://www.facebook.com/Fãclubedorydeoliveira-1859319527720545/

Instagram: https://www.instagram.com/dorydeoliveira/

YouTube: https://m.youtube.com/user/SuperDd1985

Nenhum comentário:

Postar um comentário