GOG o Mumm-Rá High Tech - #submundodosom

Posts

sábado, 7 de outubro de 2017

GOG o Mumm-Rá High Tech

Tá afim de ouvir uma obra linda? O poeta do rap nacional está de trampo novo e com título bem sugestivo Mumm-Ra High Tech, que remete ao personagem milenar, antagonista na série Thundercats. E é assim que GOG, o rolo compressor, de carreira milenar, se define: um dinossauro do rap, porém sempre atualizado, tanto em letra, lírica e produção musical.

E é nesse álbum de apenas nove faixas, pensando para vinil, que ‘GêóGê’ traz sua contemporaneidade com letras que falam o gueto, universo periférico, sobre a cena do rap, violência policial, caos político, esquizofrenia midiática e, é claro, sempre sendo porta voz dos negros e negras do nosso mundão. 

O disco é o de número 11 na carreira do rapper de Brasília, e foi feito financiamento coletivo, uma forma do público ajudar o artista a idealizar seus projetos.

O disco abre com “Universo Gueto”, produzida por DJ Caíque, que traça um paralelo entre as quebradas do Brasil com as raízes africanas. Também registra a atual cena do rap: “Tem embalo no RAP, tirando quem embalou o RAP”.

“África um continente, com grande contingente
De gente inteligente, cada país uma artéria
Curte Fela
CUT
Afrobeat
Origem: Nigéria
Rap nacional é coisa séria”


A faixa dois do álbum é “Relógio do MC”, GOG lembra que o rap é DJ e MC e que a missão dessa dupla é muito mais do que simplesmente divertir, com sample’s que remetem aos bailes black, a faixa foi produzida por Leo LP:

“O caminho é longo sim, tem fim DJ.
Então grita ai, quero ouvir, cheguei.
Riscos todos correm para verem sua performance.
Romance, beats, gritos, envolvem-se.
Pretos, guetos, esqueletos de todas as etnias,
balanço, avanço, asfixia da telegenia,
África todo dia, teria africania,
mono, estéreo, estéril sem monotonia,
risco do disco é grafia, caligrafia.”

A música seguinte é “Control S dor”, também produzida por DJ Caíque, como a letra sugere “é a favela nas teclas do computador”, GOG fala de 'Salvador' usando as teclas do PC:

“Digitei no impulso, já com teclado em curso
Aplicativo Trava, Ampliei o Zoom
Todos Amigos, Amigos em Comum
Alt lá, Messenger pra cada um”


NegrAtividade”, produzida por Leo LP, uma track que mescla o rap com o trap, numa letra tensa que denuncia o racismo no Brasil:

“Me chamam negim,
cabelo pixaim,
planejam meu fim,
futuro feio pra mim,
soco no meu rim,
couro, tamborim”

A track cinco é a “Complô Corporação”, também produzida por Leo LP, e contém depoimentos do documentário “Mães de Maio — Um Grito por Justiça”. A letra retrata uma família que perde um membro, a omissão da morte para com os filhos e depois o choque que a progenitora tem ao descobrir que é mais uma 'Mãe de Maio’:

“A pouco tempo ouvi falar em África,
um folheto num balcão de uma gráfica,
pensei que fosse oração naquele santinho,
levei pra ler a luz de vela no quartinho,
pra não acordar as crianças no colchão
chorei quietinha quando li a anotação.
Fui a reunião, forte emoção,
veio o desmaio,
ao saber que eu era mais uma das mães de maio” 

Microfone Mudo”, traz participação do Afro Ragga do grupo MOVNI, de Brasília, o mesmo também produziu a faixa. GOG faz um reflexo sobre ser negro e traça um paralelo sobre sua carreira e como a mídia só procura os artistas negros e periféricos quando convém:

“Boné bordô que a mãe bordou,
já desbotou suas cores.
Dolores Duran, Durango Kid,
embala as noites do meu bem,
na kit o sofá-cama, um laptop e mais ninguém”

A canção sete é a “Escrevo Demais”, onde GOG da um panorama da periferia, mostrando a visão de vários personagens. Música produzida por DJ Caíque:

“Paz que nunca chega, desisto dessa paz
Babilônia em coma, abortou sonhos reais
Policial lança seu hit, desde outros carnavais
Olhos, ai ardem demais, oh o gás!”


A faixa seguinte é “Sopa”, com produção de Leo LP. GOG fez “Brasil com P", depois “Próxima Parte” e por fim “Ponto Phinal”, todas com palavras que começam com a letra P, depois escreveu “Dia D”, com todas palavras começadas com a letra D. “Sopa” literalmente é uma sopa de letrinhas, nessa o poeta vai de A a Z, se liga num trecho:

“Fome fez franquia, fiz figa, fiz freela.
Formei facu filosofia, GOG, guru, guia
Homem honrar hombridade, hilário
Há honraria, honrar instinto igualitário
Jogar jogo julgando, jogral,
jaula jogaram Jamal”


E fechando o disco, a faixa que dá nome ao álbum “Mumm-Ra High Tech”, que também tem produção do DJ Caíque, onde GOG relembra suas origens, quando começou no Hip Hop, o que faz tempo, mas ainda está na ativa, cada dia se atualizando mais e mais, um verdadeiro ser milenar, um Mumm-Ra High Tech:

“Usei fralda de pano, não estudei no Plano.
Aprendi a falar véio, (véio), aprendi a falar mano,
tomei banho nos canos, que rompia,
sou tão antigo que o rap era só periferia”

O disco foi feito através do financiamento coletivo, e toda captação de voz, edição, mixagem e masterização feitas pelo Leo LP. Trata-se do décimo primeiro álbum do GOG, e como a caminhada é longo o poeta tem muita coisa pra falar, com batidas contemporâneas, que busca conversar com a nova geração, mas sem perder a essência do hip hop de Brasília, do rap do GOG, Mumm-Rá High Tech é uma linda e apaixonante obra de arte como selo ISO 9000 do Gueto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário