Marcelo Marcelino, o Trovador Brasiliense - #submundodosom

Posts

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Marcelo Marcelino, o Trovador Brasiliense


Com 20 anos na estrada da música, Marcelo Marcelino lança se primeiro disco solo, ele que foi o frontman das bandas Sem Destino e Madrenegra, com diversas passagens no evento “Porão do Rock” e no lendário “Rock In Rio”.

No trabalho intitulado “Marcelo Marcelino” o poeta traz influências de tudo ao seu redor e de ícones como Raul Seixas, Belchior, Beatles e Bob Dylan, mas se engana quem pensa que o trampo é uma mera cópia dos estilos dos músicos citados, Marcelo Marcelino vem mostrar sua veia própria e cravar seu nome no rock n’roll nacional.

O disco abre com “Alguma Poesia”, em que o cantor declama um poema, mostrando o conteúdo lírico que o álbum terá:

“Saiba meu amor, saiba que a inocência nunca foi uma flor / E não se agarre as dores do passado / Por que elas são velhos heróis em busca de um novo filme / A partir de agora nada será como antes / é apenas o fim, o fim do velho mundo que havia dentro de você / E o fim das pequenas coisas que você enxergava com olhos tão miúdos / É apenas o fim por que a inocência acabou”

A música dois é “Profecia De Mendigo”, que já chega pesada no bom estilo do rock n’ roll clássico, aqui Marcelino traz para a reflexão o tudo e o nada e a fé das pessoas mais simples:

“E lhe pergunto meu amigo quanto vale Jesus Cristo pendurado no pescoço de mendigo? / E lhe pergunto meu amigo quanto vale Jesus Cristo pendurado no pescoço de mendigo?”

A terceira faixa é a balada “Caminhos Perdidos”, que fala sobre os sonhos e ambições, e sobre como o momento atual a humanidade é uma busca incessante pelo sucesso, e por ir contra a corrente, muitas vezes nos sentimos perdidos e como é angustiante parar para refletir e tantas vezes se sentir sozinho e triste em meio as respostas encontradas:

“A minha vida é quase um sonho repetido / Tenho todos os caminhos e estou perdido / Caído em meus grandes sonhos, ideais / Eu apenas descobri que bom da vida se esconde em segredos mais banais / E com certeza anjos e crianças são sinceros, não precisam de promessas / E as coisas simples e pequenas se completam muito mais depressa.”

A música seguinte é “Sem Destino” que versa sobre a solidão, e quando as coisas parecem parar de fazer sentido, nem as válvulas de escape frequentemente utilizadas para driblar os pensamentos que assolam a mente em momentos introspectivos:

“E tô perdido sem dinheiro, sem abrigo, sem lugar pra ficar / Não tenho muito que esperar / Essa noite sonhei que era um escravo que havia se revoltado por que estava livre, mas livre no mundo errado / E tô perdido sem dinheiro, sem abrigo, sem lugar pra ficar / Não tenho muito que esperar”

A música “A Balada de Rosa e Montanha”, em palavras do músico, “trata da adoção de uma criança por um casal homoafetivo. O Brasil vive uma guinada conservadora que classifico de hipócrita. Todo tipo de preconceito aparece com força nas redes sociais”:

“Montanha é um anão de 1 metro e 40, um grande coração e alma muito nobre / O amor da sua vida é uma negra bonita, de 1 metro e 80, que se chama Rosa / E a Rosa um dia também foi um menino, que era menina de alma e coração / E a Rosa cresceu sem amor de família, seu pai ignorante só lhe dava humilhação / E a Rosa viveu abandonada na rua conheceu a dor da fome e a discriminação”

O Homem Esfarrapado”, é uma letra que retrata um acontecimento real, em que enquanto Marcelino estava sentando á mesa de um bar um homem esfarrapado surge lhe pedindo ajuda monetária, ele ajuda o cidadão e logo é taxado de otário por aqueles que viram a cena, porém logo surge o homem esfarrapado, com as crianças, e vários mantimentos que conseguiu comprar com a ajuda, sendo essa a lição de moral, contra o pré julgamento que estabeleceram naquele bar:

“Um sujeito envelhecido muito magro esfarrapado / Caminhava decidido e parou bem do meu lado / Era estranho e conhecido estava calmo e agitado / Parecia ser amigo mas fiquei bem preocupado / Ele deu um outro passo bem na minha direção / Me olhou dentro dos olhos depois me estendeu a mão”

Anjo Doido” é a canção número sete, com belíssimo solo de gaita, a música fala sobre um novo capítulo, mas relembrando tudo que passou até o momento, do suor empenhado em muitas atividades, que apesar das quedas, que muitas vezes quebram nossas asas, temos que seguir em frente, a canção fala justamente sobre a volta por cima, em uma mensagem positiva e de otimismo, e sobretudo de determinação, como Marcelo cita “Não vai ter final, pra quem não vai desistir:

“Não sei que anjo doido atravessou o meu caminho / Mas se era pra mudar, então fui lá e mudei / Agora eu ando leve, alucinado, tranquilo / E a minha asa quebrada eu já consertei”

Seguindo o disco temos “Retirante”, com lindos arranjos e letra idem, que fala da saída de casa em busca do horizonte próprio, numa jornada que todos devem seguir para encontrar sua identidade própria:

“Ainda me lembro muito bem quando eu cheguei nessa cidade / Tudo era novo, nada era novidade / É tão estranho ser estranho numa terra distante / Tentando ser a cópia do que eu nunca fui antes / Mas o tempo do meu verbo, sujeito dissonante / Quem chega do passado sempre foi um retirante”

Na faixa nove, Marcelo Marcelino fala de um “Jeito Estranho” sobre erros e acertos, traçando uma liberdade do passado para encarar um novo futuro:

“Não leve a mal esse meu jeito estranho / Ficar sozinho as vezes me faz bem / Eu te desejo muito amor e sorte / Meu coração reparte o que tem”

Puta Que Pariu. Aconteceu Outra Vez”, faixa dez, chega numa pegada mais acelerada, mais sem perder a essência do álbum, que conta a história de um sujeito que se envolve em confusões pela madrugada, enquanto busca evitá-las a todo custo, mas quando se dá conta:

“Puta que pariu acontece outra vez / Lá vou eu de novo sem razão, perdi o freio / Puta que pariu acontece outra vez / Lá vou eu de novo sem razão, perdi o freio”

Promovendo um brilhante encontro do violão acústico com a guitarra elétrica, a faixa "Igreja do Cartão De Crédito” é recheada de crítica contra aqueles que exploram a fé do povo:

“Quatro horas da manhã ligo a TV e aparece um sem vergonha / Suor escorre do seu rosto, ele grita o nome do diabo / Vai te embora satanás que esse cheque agora é meu / Abandona esse bolso, eu pego grana para Deus”

Seguindo, tem “O Milagre Do Cego Benedito”, a história de um cidadão com ausência de visão, e com situação financeira precária e sem estrutura familiar, mas que mesmo com a adversidade não deixou a peteca cair e manteve sua hombridade firme:

“Benedito é meio cego de nascença / Não vê direito a luz do sol / Desde pequeno se sentia diferente / E andava sempre só / Mas Benedito sempre foi muito esperto / Tinha coragem e decisão / Já enfrentou até uma gangue de pivete para defender o seu irmão”.

A penúltima música é “Meu Amigo Olha Só A Ironia”, que fala dos ladrões de terno e gravata do congresso e das igrejas, do clima de tensão devido a violência e a cultura pobre que somos quase que obrigados a ingerir:

“Eu aprendi que é preciso ser criança para manter a esperança e enfrentar toda a maldade / Eu peço a Deus um pouco mais de alegria, pra ganhar um pouco mais de sabedoria e viver com liberdade / Meu amigo olha só a ironia / Você não percebeu que é roubado todo dia”.

E fechando o disco com chave de ouro, a música “Eu Também Estava Lá”, que sintetiza toda a critica em meio a poesia do disco numa cação mais direta e reta:

“Lembra aquela gente fazendo passeata? / Pedindo a prisão dos ladrões de gravata / Naquele pais onde o crime organizado te rouba alegremente protegido pelo estado / Aqui não tem justiça, nem ordem e progresso / E a casa do bandido é o Palácio e o Congresso”.


O disco Marcelo Marcelino vem perfeitamente trabalhado na crítica social e política, e como o próprio cantor comenta: “O álbum é uma espécie de antítese ao imediatismo moderno. As pessoas não têm paciência de ouvir músicas com mais de dois minutos”, ao longo das 14 músicas Marcelo explora canções longas com histórias diferentes e marcante, esse não é um disco para ser esquecido, é pra ficar martelando nas ideias: “O álbum não passará batido por quem ouvir”, diz Marcelino.

Abordando temas atuais e colocando o dedo na ferida Marcelo Marcelino chega chegando, mas traz a suavidade da MPB na voz e nos arranjos, o disco é extremamente critico e contestador, mas também é uma obra de poesia e faz muito bem aos ouvidos se deliciar com as aventuras do trovador solitário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário