Entrevista com o Rimas & Melodias - #submundodosom

Posts

quinta-feira, 22 de março de 2018

Entrevista com o Rimas & Melodias


Salve! O Submundo do Som trocou uma ideia com as minas do grupo Rimas e Melodias, formado por Mayra Maldijan, Tatiana Bispo, Drik Barbosa, Karol de Souza, Stefanie, Tássia Reis e Alt Niss com o melhor da slowjam, mesclando o rap com o R&B, fazendo um som de minas para minas, dando um soco no saco saco do machismo e empoderando a mulher negra e periférica:

Submundo do Som - Quem é o Rimas e Melodias? Como se formou e da onde surgiu o nome do grupo?

Rimas & Melodias - Rimas & Melodias é um coletivo formado por 7 mulheres: AltNiss, Drik Barbosa, Karol de Souza, Mayra Maldjian, Stefanie, Tassia Reis e Tatiana Bispo.  

No coletivo, além das "funções musicais" de cada uma, a gente divide as tarefas do grupo para tudo andar do jeito que precisa. Gosto disso que nós temos que é uma ajudar a outra, sabe? Acho que esse clima é muito sentido pelo nosso público. 

Tive a ideia (Tatiana Bispo) de fazer uma cypher onde além de rimas, que é o tradicional das cyphers, também tivesse as vozes melódicas. Daí o nome do coletivo. Compartilhei a ideia com a Dj Mayra e logo a gente começou a montar o projeto p/ apresentar e convidar as demais integrantes. Eu já tinha contato com cada uma das meninas (umas eram mais próximas outras nem tanto) e desde o começo eu já sabia que seriam elas, tanto por uma questão de vibe, quanto pela questão da musicalidade.  

Quando fizemos as primeiras reuniões, a sintonia foi muito rápida e logo estava todo mundo contribuindo com ideias. Isso foi enriquecendo o projeto, deixando ele com um pouco de cada uma de nós. Quando fomos gravar o vídeo da cypher, já tinham mais 9 músicas que a gente quis fazer também (algumas delas, coincidentemente em parceria entre nós mesmas). Lançamos os vídeos nos nossos canais e tivemos uma resposta muito boa. Depois fizemos uma festa de lançamento que teve lotação máxima e dali p/ frente não paramos mais. Tudo foi fluindo muito naturalmente. 

(Mayra Maldjian) - Depois de um tempo se tornou inevitável a vontade de criar um disco juntas, as sete com a mão na massa. Quando vimos já estávamos em estúdio. As rimas e melodias saíram tudo ali, naqueles sete dias de estúdio, num processo muito desafiador e intenso, mas coletivo, fluido e bonito. Colocamos nossas verdades, inspirações e pirações numa obra que consideramos muito  relevante e atual tanto na mensagem quanto musicalmente. Creio que todas crescemos como artistas e mulheres! 

Submundo do Som - Como é o processo de composição do grupo? Como que nasce uma nova música do Rimas e Melodias?

Rimas & Melodias (Stefanie)- Nosso processo de composição é bem livre, podemos falar sobre amor, protesto, diversão, pra arte ñ existe limites, então ñ damos nenhuma direção. Existem assuntos que ñ fazem parte do nosso perfil, prezamos muito a nossa verdade, isso torna a nossa arte original. Cada uma vem com a sua opinião sobre um determinado tema, que geralmente surgem quando estamos conversando. Se percebemos que estamos falando muito sobre algo ou um a assunto interessante vem a tona rola um "Podemos fazer uma música sobre isso!" 

Submundo do Som - Ano passado o grupo lançou um belíssimo trampo, que foi o EP Rimas & Melodias, como foi fazer esse trabalho e o que ele representa na carreira de vocês?

Rimas & Melodias (Mayara) - Esse disco representou algum tipo de ápice como integrante do Rimas, e também um momento de solidez na minha carreira. Afinal também é o meu, o nosso nome em individual antes de tudo que possibilitou que tudo acontecesse dessa forma. A junção de várias mentes brilhantemente pensantes, a construção do disco, as trocas. A experiência é sempre muito válida. Aprendi muito nessa fase até aqui de forma geral. Sem contar a oportunidade de passar alguns dias num estúdio incrível como o da Redbull Station. 



Submundo do Som - Cada mina do grupo tem seu trampo paralelo né? É difícil de conciliar os demais projetos com o Rimas e Melodias?

Rimas & Melodias (Alt Niss)- Esse é talvez o nosso maior desafio dentro do projeto. Por mais que o Rimas & Melodias tenha evoluído de coletivo a grupo, ainda assim continuamos cuidando das carreiras individuais, cada uma em uma fase diferente dos seus trabalhos. Mas existe uma compreensão grande e um respeito maior ainda em relação a isso. O difícil é conciliar agenda. Nessa fase pós disco todas tentamos reservar ao máximo possível nossas datas para o Rimas. Conforme os meses vão passando a tendência é dar um pouco mais de atenção aos trabalhos solos e assim a gente vai se organizando, na base do acordo. E mesmo assim ainda nos enroscamos um pouco. Mas sempre encaramos como um bom sinal, sinal de que todas estão no progresso.

Submundo do Som - Ser um grupo formado por mulheres, negras e periféricas é uma forma de levantar a bandeira dessas causas através da música. E como é fazer isso nos dias de hoje, com discursos extremistas, com o fascismo cada vez mais mostrando sua cara?

Rimas & Melodias (Tássia Reis) - Algumas de nós  moram na periferia, e algumas, que vieram de outra cidade/estado, hoje habitam o centro também. De todo o modo, ser mulher em SP não é nada fácil, mas ser mulher no Brasil também não é, logo sendo um grupo de mulheres, a maioria negra , há muitos obstáculos sim. Felizmente, usamos nossas vozes e letras para nos expressar e o que tem acontecido é que muita gente tem se identificado. Há quem acredite que nos momentos de maior crise é quando a arte mais entra em combate e se mostra presente em sua maior potência. Somos artistas, vivendo e narrando o agora, cabe a nós e a toda essa geração relatar a história a partir do nosso próprio lugar de fala.

Submundo do Som - E como foi a ter a participação da Djamila Ribeiro no disco do Rimas e  Melodias? Ela que é um ícone do movimento  feminista, filosofa e pesquisadora,  mulher negra  de muita fibra, como rolou o convite pra ela participar?

Rimas & Melodias (Karol de Souza) - A Djamila Ribeiro é muita treta né!
Nóiz também, e por isso, visando um impacto na nova música brasileira, e lembrando da importância do discurso sampleado da Chimamanda Ngozi Adichie na música Flawless, da Beyoncé, nos veio a ideia de alguém tão representativa quanto. O nome da Djamila veio em seguida na nossa roda, e a Tássia se dispões a convida-la. Pra nossa sorte ela aceitou prontamente e fez um texto específico pra nossa música! Isso é incrível! 
No fim de 2017 fizemos um show e ela entrou, narrando sua parte, enquanto a gente chorava no palco. A gente sempre chora, rs... é muito forte!

Submundo do Som - Para as minas e manos que buscam conhecimento, estamos evoluindo cada vez mais em algumas questões no Brasil, principalmente por parar pra escutar o que as pessoas que sentem na pele sobre determinados assuntos têm para dizer. Mas ainda há quem acha que o machista é só aquele que agride a mulher em casa, e não veem outras atitudes machistas em seus próprios atos. Vocês, mulheres que estão na luta contra isso, quais dicas ou conselhos podem dar, principalmente para os manos, para que possam evitar tais atitudes?

Rimas & Melodias (Drik Barbosa) - Respeito! É o mínimo que precisamos pra que aconteça mudanças positivas e necessárias. Respeito pelo outro, pelo espaço do outro, pelos direitos de todos nós e não só de uma parcela da sociedade. Enquanto estivermos acomodados nessas formas machistas e preconceituosas de pensar não vamos a lugar algum. É preciso entender de vez que todos estamos aqui de passagem, ninguém é superior a ninguém e que dividimos o mesmo “espaço” e que seria muito melhor se estivéssemos vivendo em harmonia e respeitando o outro.

Submundo do Som - Pra falar ou acompanhar o grupo Rimas e Melodias? Falem ai pra nós, quais os canais de comunicação?

Rimas & Melodias (Mayara) - facebook.com/projetorimasemelodias
instagram: @rimasemelodias
twitter: @rimasemelodias
Youtube: https://www.youtube.com/channel/UC1Sgfyp4fqI2yZB_Tie5LSQ
Produção Executiva: Juliana Dejesus

Nenhum comentário:

Postar um comentário