Entrevista com Synestesia - #submundodosom

Posts

segunda-feira, 26 de março de 2018

Entrevista com Synestesia


O Submundo do Som trocou uma ideia com o grupo Synestesia, segunda vez que trombamos os manos para bater um papo, nessa oportunidade falamos da cena do rap no interior de SP, na região 019 e sobre a participação do grupo no projeto "V.A. - O Rap Que Vem Do Interior" do selo Dz9 Records, encabeçado pelo produtor musical Danilo Amâncio. Falamos também sobre o EP V.I.D.A. lançado em primeiro de janeiro de 2018 que veio com tudo, gravado e produzido no Mil Grau Tape Studio sob supervisão do grupo. Então se liga aí e confira essa entrevista que está da hora:

Submundo do Som - Essa é a segunda vez que o Submundo do Som troca uma ideia com o Synestesia né? (Clique aqui para ver a primeira entrevista), o que mudou no Synestesia de lá pra cá? Reapresenta o grupo pra nós!

Synestesia - De lá pra cá, basicamente, a maior mudança foi a saída de dois integrantes, restando três na formação do grupo, Anauê, Beiço e Leozera. O estilo e a maneira de trabalhar continuam a mesma no MilGrauTape Studio e cada um de nós segue evoluindo individualmente quanto ao conhecimento musical.

Submundo do Som - No primeiro dia desse ano saiu o EP V.I.D.A., o que esse álbum representa na carreira do Synestesia?

Synestesia - Representa tudo. Essa EP é um resumo de tudo que o grupo fez desde 2013 até aqui, passando por mudanças e aprendizados. Foi produzida em 2017, um ano onde trabalhamos muito para que ela se concretizasse e mesmo aos trancos e barrancos, saiu!


Submundo do Som - V.I.D.A. é o acrônimo para Viagem Instável Doce e Amarga né? Qual o significado desse nome?

Synestesia - É isso aí. A vida é instável, possui altos e baixos, é agradável porém tem suas dificuldades, e é imprevisível. As músicas da EP falam sobre a vida de vários pontos de vista, e de certa forma é isso que o nome representa.

Submundo do Som - Como é o processo de criação do Synestesia? Desde o beat, as letras, gravação? Como nasce um som novo do grupo?

Synestesia - Geralmente um dos integrantes apresenta uma letra ou beat novo pros outros. Daí pra frente desenvolvemos o som, finalizamos, gravamos e produzimos no nosso home estúdio.

Submundo do Som - O álbum V.I.D.A. foi produzido pelo estúdio Mil Grau Tape, que é o laboratório do Synestesia, como é para o grupo ter o próprio estúdio?

Synestesia - O MilGrauTape Studio foi o primeiro investimento do grupo, logo no início, e nos fortalece até hoje. Graças a ele conseguimos gravar a EP, todos os nossos trampos e os trampos de outros MCs e grupos de Jaguariúna e região.

Submundo do Som - E com o Mil Grau Tape Estúdio, o Synestesia tá produzindo vários outros grupos de rap de Jaguariúna e entorno né? Como é isso?

Synestesia - É gratificante ajudar os MCs a terem suas músicas lançadas e fortalecer a cena do RAP da região. Mesmo com pouco espaço pra cena underground, oferecemos um som com produção de qualidade pra galera.

Submundo do Som - O Synestesia também está participando da coletânea V.A. - O Rap Que Vem do Interior, da Dz9 Records, como é estar nesse trampo?

Synestesia - É da hora aproveitar mais essa oportunidade para levar nosso som e nossas ideias adiante.

Submundo do Som - O Danilo Amâncio é o produtor do disco e criou o beat para a faixa certo? Já tivemos, também, a dobradinha Synestesia e Danilo Amâncio no single "Oração". Como que é trampar com esse maluco?

Synestesia - É um maluco que entende muito sobre música, tem muito a acrescentar com quem trabalha com ele.

Submundo do Som - O V.A. - O Rap Que Vem do Interior, vai sair pelo selo Dz9 Records, que tem o objetivo de fomentar a cena musical da região 019. Qual a importância para a cena de um selo como o Dz9 Records?

Synestesia - Qualquer selo que se proponha a fortalecer a cena é bem-vindo. A cena precisa disso. A cena precisa de coletividade, de aval, público e pessoas dispostas a fazer acontecer.

Submundo do Som - No nosso último bate papo, que foi a mais de um ano atrás, falamos sobre espaço e como é fazer rap em Jaguariúna, de lá pra cá o que mudou? Tivemos mais grupos nascendo, a parada da Tribo do Groove, o Programa Consciência Brasileira, né? Mas comparando hoje com o começo do ano de 2017, realmente a cena evoluiu? Tá melhor pras bandas e grupos de JaguarCity?

Synestesia - De lá pra cá o espaço pro RAP em Jaguariúna não mudou muito. Ainda falta um espaço para que as bandas, grupos e MCs daqui exponham seus trabalhos. Apesar dos esforços como o Tribo do Grove, que rolou no Paiol Bar, lugar onde as portas sempre estiveram abertas para nós, e o Programa Consciência Brasileira que também abre espaço para a galera independente, ainda falta muito para a cena realmente evoluir. A cena depende muito, também, do público, que infelizmente ainda não apoia pra que tal evolução aconteça. Apoiar é valorizar o artista local, e em Jaguariúna tem vários de qualidade, não só no RAP ou na música, em várias áreas da arte.

Submundo do Som - E como vocês veem a cena musical independente? Em relação aos shows, divulgações, produções, como o grupo analisa esse atual cenário atual da música alternativa no Brasil, como um todo?

Synestesia - A música independente cresceu muito graças a ascensão da Internet, como através do YouTube e outras mídias sociais que possibilitam que qualquer usuário possa divulgar sua música sem custo. Quanto a produção, existem por aí muitos estúdios, e a principal dificuldade talvez seja o custo. O público hoje ouve muita música independente devido a facilidade de acesso, contribuindo com a caminhada do artista independente.

Submundo do Som - No EP V.I.D.A, tem a faixa "Conquista", com a mensagem "Quanto mais eu quero mais eu busco, e muito mais eu cresço!", o que o Synestesia ainda almeja conquistar? Quais os sonhos do grupo?

Synestesia - Almejamos apenas seguir trabalhando e evoluindo dia a dia, com humildade, coletividade e originalidade. Sem esperar muita coisa, o que tiver que ser, vai ser.

Submundo do Som - Já que nosso papo aqui é sobre música, o que de novidade vocês podem indicar pra rapaziada que tá procurando um som da hora pra curtir?

Synestesia - Podemos indicar artistas da região, como QDL, Lucas Nonimato, Interior MCs, Gabriel Flash, Siloque, Ogum, Real Rap, Brandina Rap, Mafra, Doutor Sinistro e Rato na Briza VMG.

Submundo do Som - Além da track no álbum V.A. - O Rap Que Vem do Interior, o que mais os fãs do Synestesia podem esperar do grupo para esse ano de 2018?

Synestesia - Esse ano, após a EP, já saiu um som do grupo Brandina Rap em que fizemos participação. Temos sons engatilhados para saírem na medida em que forem ficando prontos, além de participações com outra galera. O MilGrauTape vem vindo também com vários beats novos para venda, que estão disponíveis no SoundCloud do estúdio.

Submundo do Som - Pros manos que acompanham a correria do Synestesia Rap, pra galera que se inspira no grupo, ou para os que estão conferindo essa entrevista, que recado vocês deixam?

Synestesia - Pros grupos independentes, artistas ou pra qualquer um que se identifique: vamos pra cima sem desanimar, trampando firme, com humildade e sinceridade. Escutem RAP.

Submundo do Som - E pra conferir as novidades do grupo, acompanhar o trabalho do Synestesia  ou bater um papo com os manos? Quais os canais de comunicação?

Synestesia - Os canais são os seguintes:

Canal do Synestesia

Página do Synestesia

Página do MilGrauTape Studio

MilGrauTape Beats, beats à venda

Contato:

Nenhum comentário:

Postar um comentário