O Espirito de Luz de Afrow - #submundodosom

Posts

quarta-feira, 4 de julho de 2018

O Espirito de Luz de Afrow


O rapper Afrow, direto de Piracicaba, no interior de São Paulo, acaba de lançar seu mais recente trampo, o EP "Espirito de Luz", que ao longo das oitos faixas que o compõe vem como um soco no estomago no racismo e traz para debate questões corriqueiras como o descaço humano e o poder de superação do ser humano.

O álbum vem repleto de participações, a começar pelo time de produtores que contém Rodrigo Tuchê e JovemBeto, que também são MC's e os beatmaker's Scooby e Short. Tem também a voz de Laura Camarini, Fractal, Pin de Buenas, do DJ Gusta e do JovemBeto que também rima.

O disco abre com a faixa "Intro", com instrumental belíssimo feito pelo JovemBeto, e ao longo de seus mais de dois minutos vem repleto de colagens que constrói a mensagem central do disco, e serve como um cartão de visitas para o que você encontrar nas cinco faixas que estão por vir:

"O que você pode levar disso é os momentos, o aprendizado, os momentos eternos, a sensação de liberdade sabe? De alguns momentos, trocar divinas virtudes com pessoas em níveis tão sinceros, sabe? Acho que é isso mano, isso que eu quis passar nesse disco"

Laura Camarini cola junta, para mostrar seu talento em cima do beat também produzido pelo mestre JovemBeto, que traz a atmosfera da faixa anterior, mas com peso nos agudos e balanço dos claps, enquanto Afrow traz uma letra que aborda o hype e correria de um artista underground pra ter seu lugar ao sol:

"Envelheço bebidas, amadureço ideias, correndo do revês em direção a paz
com a hype do Lil Wayne e a grana do Bruce Wayne
enquanto toca um velho jazz, mais um velho jaz
Demorou mas finalmente eu percebi, que a vida não dá bói
Que se tá fácil não tá bom, se tá bom fácil não foi
Vivendo em ciclos, girando em círculos, esperando a morte sem emoção
A vida de muitos, trabalho e descanso, o ser humano e o maldito patrão"

Na faixa seguinte, "Talento Raro", novamente com o peso de JovemBeto dessa vez no trap e com a participação do Fractal, parceiro de Afrow, no Zona96, em um tema que fala do talento subjugado dos manos e a batalha pra continuar crescendo rap. Destaque para o hilário áudio de zap no fim da track.

"Então mira e atira, se esse é o seu trabalho
vai que vira, em Pira, tem talento pra caralho
para para cês não guenta, cara a cara é só porrada
Trap sujo incomodando tipo preta empoderada"

Já na faixa quatro, Afrow traz uma teoria a cerca da humanidade em "Mente Humana parte 2" sobre a vida na terra, que perante a todo o universo é tão pequena, mas a complexidade da mente humana proporciona uma grandiosidade ao ser humano. O beat nervoso mais uma vez é do JovemBeto, com colagens no final que mudam a densidade da faixa para um tom mais humorado.

"Criamos a escrita pra história ir além
Deuses eram astronautas e nós eramos também
Não há nada mais complexo do que a mente humana
pedras sempre existiram, mas quem criou a chama?
Somos equações, universo é matemática
Somos só matéria, mas nossa mente é mágica"

A quinta faixa é a "love song" do álbum, porém longe de um romance melódico. Em "Subconsciente", Afrow aborda os prazeres da vida como uma alternativa as lastimas que nos rodeiam, em beat propicio produzido pelo Scooby.

"Reafirmação do ego pra me conformar
tipo querer nada e fazer tudo pra ela se apaixonar
Chamei pra sair, passo aí, certo gata?
No som do carro lancei um pen drive com as track bolada que eu sei que ela chapa
Rodei a cidade sem mapa, não te prometi o céu?
No toque da situação e do Santana rumo ao motel
fuder com a vida, antes que ela me foda
beijar a morte, antes que ela me beije"

Na sexta canção, o beat é do lendário Rodrigo Tuchê, por que JovemBeto nessa assume os vocais, e junto cola o DJ Gusta, essa é "Copo D'Agua", com letra sobre a podridão das pessoas que insistem em involuir ou se corromper, mas que tudo isso faz testar a nossa fé na caminhada. Destaque para os scratchs do DJ Gusta, integrando os elementos da cultura hip hop nesta track.

"Já era, horário é só pra trampo e não tem glitter
Numa era de Bolsonaro e Trump pra quê Hitler?
Esse é o flow de quem não lê revista Veja
Falsos profetas já vieram e estão no altar da igreja"

A penúltima faixa é uma viagem, uma "Boa Viagem", e buenas, tem participação do Pin de Buenas, como hipnótico beat do Shortbeatmaker, talvez a música menos tensa no disco, pois como o titulo sugere é um momento mais ameno, de curtir uma viagem:

"Eu vim tocar o terror
Nessa cena que nem sempre abre as porta pro interior
Do interior pro exterior, Lisboa, Paris, depois Valência
O foco aqui é evolução, o resto é consequência
Na rede, eu e minha mina e um rap bom
tranquilidade, faço da minha vida um som
Na sede para poder viver do meu dom
Suave, isso pra mim já tá mais do que bom"

O álbum fecha com a faixa "Espirito de Luz", que discorre sobre os dilemas da vida num ponto de vista introspectivo, que fala de seus erros, explanando sua humanidade, e que isso tem um bônus no final das contas:"Ela e sua atração por caras que não são normais". Destaque para aguitarra do instrumental do JovemBeto que rouba a cena na variação do beat. 

"Sem medo de arriscar, só encontra quem garimpa
quem tem história pra contar morre de consciência limpa
Desde de pequeno já ganhei qual é o meu dom
Bagunceiro do fundão tirando 10 em redação
E mesmo em meio ao crivo
As vezes tudo que nos resta truta, é mais um pensamento positivo" 

O EP "Espirito de Luz" é uma surpresa boa para quem não acompanha o trabalho do rapper, e que por sinal tá vacilando quem não ficar sintonizado nesse mano, o trabalho resume sentimentos do MC, que apesar de íntimos, conversam com o coletivo, como na busca para viver de seu trampo, os espirito de porco, sem luz, que testam nosso dia a dia, os honestos de suavidade, o corre para fazer a cena de nossas cidades crescer, a busca para fugir de uma realidade, mesmo que por alguns instantes, mesmo que tenhamos que recorrer a nossa autoestima, pois como Afrow citou, somos nos melhores amigos, mas inimigos também.

Nenhum comentário:

Postar um comentário