10 Discos com 10 Anos em 2019 - Submundo do Som

Breaking

Home Top Ad

Post Top Ad

sábado, 23 de novembro de 2019

10 Discos com 10 Anos em 2019


Dez anos se passaram do longínquo ano de 2009, o último da primeira década do século XXI. Foi nesse ano que passou a ser proibido acender um cigarro dentro estabelecimentos fechados como bares e restaurantes e Collor voltaria a assumir um posto de destaque na politica brasileira, depois de ser 'impitimado' em 1992. Foi em 2009 que a música brasileira iniciou uma reformulação, tanto em produção como no consumo de álbuns, o download em mp3 era uma das opções do publico, e até de gravadoras e artistas que apostavam no mercado virtual com diversas tentativas de monetizar os trabalhos lançados. Não sabíamos, mas nos anos seguintes os streaming, com pioneirismo do YouTube, marcariam a volta do wave, assim como nos Cds, trazendo um novo meio de ouvir música.

2009 não foi um ano de mercado aquecido no quesito de lançamentos, o ano anterior e o posterior, em termos de quantidade, foram melhores. 2009 marcava a transição de uma desada que estava aprendendo a lidar com a internet e trabalhar o mercado musical com essa nova ferramenta, já que foi somente em meados dos anos 00 que a internet foi se popularizar no Brasil, sendo realidade para grande massa somente na virada para os próximos 10 anos, mesmo assim o ano de 2009 apresentou grandes trabalhos, e o Submundo do Som lembra de algumas obras lançadas dez anos atrás:

Camisa 10 Joga Bola até na Chuva:

Capa do álbum Camisa 10 Joga Bola até na Chuva

O Charle Brown Jr lançou seu décimo álbum, com o sugestivo título Camisa 10 Joga Bola até na Chuva, lançado pela Sony Music, e que rendeu clássicos da banda como "Me Encontra" e "Só Os Loucos Sabem", além da sinistra "Puro Sangue" sobre a perda de amigos na caminhada e a música "O Dom, a Inteligência e a Voz", música que Chorão compôs para Cássia Eller gravar,mas que infelizmente não deu tempo, e nesse álbum vencedor do Grammy Latino de 2010, a banda resgata o som.

Pra Quem Já Mordeu um Cachorro por Comida, até que eu Cheguei Longe:

Capa da mixtape Pra quem já Mordeu um Cachorro por Comida, até que eu Cheguei Longe...

Emicida virou a chave do rap nacional e trouxe uma nova proposta com a mixtape Pra Quem já Mordeu um Cachorro por Comida, até que eu Cheguei Longe..., considerado por muitos como um dos melhores e mais influentes álbuns da cena. Com esse trabalho, puxado pelo sucesso de "Triunfo", que já havia ganhado as ruas antes, o rapper injeta um novo oxigênio no Hip Hop, e traz consigo uma nova geração que dominou a década seguindo, conduzindo seus próprios negócios e criando empresas de sucesso, oriunda das quebradas do país.

Contra Todos:

Capa do disco Contra Todos

A banda capixaba Dead Fish lançou seu sétimo disco de estúdio, o Contra Todos, que foi o último álbum dos caras com o baterista Nó, que tava no projeto praticamente desde o começo. Nesse trabalho o grupo ressalta a essência do hardcore melódico que os consagrou, com músicas mais letas e introspectivas. Lançado pela Deckdisc o álbum tem quatorze faixas e clássicos como "Não", "Venceremos", "Armadilhas Verbais" e "Subprodutos", além da faixa titulo.

Crônicas da Cidade Cinza:

Capa do álbum Crônicas da Cidade Cinza

Outra obra prima do nosso rap é Crônicas da Cidade Cinza do mestre Rodrigo Ogi, e como o nome sugere é um álbum que retrata a cidade de São Paulo de forma intima e apaixonada ao longo das 19 faixas que o compõem, com produções de Nave, Dario Beats, DJ Caíque e Stereodubs, só para citar alguns, o disco é repleto de clássicos do underground do começo ao fim, como "A Vaga", "Corrida dos Ratos", "Os Tempos Mudam" e "Eu Me Perdi Na Madrugada" e vários outros. Além disso a arte da capa é assinada pelos percursores do graffiti nacional, Os Gêmeos. 

C mpl te:

Capa do disco C mpl te

De Brasilia a banda Móveis Coloniais de Acaju mesclando pop rock, art rock, indie, pós-punk, garage, ska e a regionalidade brasileira, lançaram o álbum C mpl te, pela gravadora Trama, mais voltado para o rok e ska, rico em detalhes, arranjos, efeitos e elementos que ajudam a banda a construir uma sonoridade ímpar. O s sucessos do disco foram as músicas "O Tempo", "Falso Retrato (U-hu)" e "Sem Palavras".

De Volta ao Jogo:

Capa do álbum De Volta ao Jogo

SpeedFreakS, o rapper Speed, se recupera e em 2009 estava De Volta ao Jogo, lançado pela sua própria gravadora Speed's Hits. Esse foi seu último trabalho de inéditas, Cláudio Márcio de Souza Santos viria a falecer em 26 de março do ano seguinte, e ainda em 09 lançou um disco de remix de alguns de seus clássicos em Remixxx-Speedfreaks Featurings Vol. 1. De Volta ao Jogo tem um jeitão de mixtape, reune 22 faixas e tem participações de parceiros de Speed como Gilber T, De Leve, Tiger e da sua irmã Eliane.

Brasil Afora:

Capa do disco Brasil Afora

Os Paralamas do Sucesso lançaram seu décimo segundo álbum, intitulado Brasil Afora, lançado pela EMI e com produção do lendário Leminha e gravado na Bahia, no estúdio de Carlinhos Brown, inclusive regravando a canção "Quanto ao Tempo" do musico baiano. Nesse álbum a banda após mais na veia do rock, deixando o ska de lado, utilizando-se do hard rock e em momentos do funk e jazz.

O Sonho Dourado da Família:

Capa do EP Sonho Dourado da Família 

Sucedendo o emblemático Após Algumas Estações, os manos do Elo da Corrente lançam em 2009 o álbum O Sonho Dourado da Família, um EP de sete faixas lançado em vinil pelo selo "Somatória do Barulho" com uma faixa bônus, “Não Se Cale”. O disco é curto, com pouco menos de 20 minutos, mas trouxe faixas precisas como a título, preferida dos fãs e que remete a paz e tranquilidade.

4º Mundo:

Capa do álbum 4º Mundo

A banda Oitão, do chefe culinário Henrique Fogaça, debutava em 2009 com o álbum 4º Mundo, após um ano de sua criação, lançado de forma independente e com treze faixas de hardcore agressivo e sem massagem com um pé no metal, o álbum tem participações de grandes nomes da cena do punk rock, hardcore e metal, como do Jão, do Ratos de Porão, Marcão, do Lobotomia e Marcus D’Angelo do Claustrofobia. Destaque para o som "Chacina" e a releitura de "Garotos do Subúrbio", da banda Inocentes.

De Love:

Capa do disco De Love

Ramon Moreno de Freitas e Silva, ou De Leve, rapper carioca de Nikiti City e com passagem pelo grupo Quinto Andar, lançou o álbum De Love, com onze faixas que compõe o conceitual álbum romântico, acenando para para a mudança da industria fonográfica no país. Todas as produções foram feitas poe De Leve, exceto a música "Quer Dançar", produzida por Voltair e mixado por Bruno Marcus no estúdio Tomba.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad

Páginas