Asfixia Social Lança Álbum/Livro Sistema de Soma: A Quebrada Constrói - Submundo do Som

Breaking

Home Top Ad

Post Top Ad

quinta-feira, 28 de novembro de 2019

Asfixia Social Lança Álbum/Livro Sistema de Soma: A Quebrada Constrói


A banda Asfixia Social lançou no dia 24 de outubro seu no disco Sistema de Soma: A Quebrada Constrói, que também da título ao livro que faz parte desse projeto, e contém além de desenhos feitos pelos alunos das oficinas de poesia realizadas pela banda de forma 100% independente, e que atendeu mais de 1000 jovens ao longo do programa.

O disco abre com a música "Get Ready (O Começo)", que teve um review de lançamento aqui no Submundo do Som, confira aqui. Som que traz a participação da talentosa Karen Santana e também dos músicos Carlos Peixoto, Beto Firmino e Jônatas Petróleo, e mostra o pensamento como o começo, a reflexão como primeiro passo, o planejamento para depois a ação, e assim começam a contar a história do Sistema de Som(a): A Quebrada Constrói: 

"Esqueça o passado, pense no presente
Get ready, o momento, get ready, o momento é esse
mensagem no verso, somando, começa o pensamento, 
É o começo, o pensamento é o começo"

Na faixa dois, "Sistema de Som(a)", o Asfixia conta com participação do Bocato no trombone, Gabriel Rosati no trompete, e mais uma o Jônatas Petróleo na voz e o DJ Tano do Z'África Brasil num som que referência os coletivos jamaicanos e a cultura Sound System, percursora do Hip Hop, além da inspiração na poesia abolicionista de Castro Alves em "Saudação a Palmares", de 1870, chamando os esqueiros para uma chama que se acende:

"porque... SOMOS como a BRASA que incendeia montanhas.
SOMOS como a LUZ que se espalha sobre as sombras.
Onde o som chegar,
Onde a rima ecoar, certeira, queimar!
Tipo um isqueiro...
isqueiro... isqueiro...
Isqueiro coletivo.."

A música três é "A Quebrada Constrói", com participação de Bux, do grupo Loucos D'La Mente, Bocado e Gabriel Rosati, num groove que prega a união para resistir e fortificar a luta contra soldados do capitalismo que espalham a miséria e fazem nosso povo sofrer:


"Preço que se paga pelo luxo!
Quando cê quis tomar o lugar do cara que no passado te oprimiu.
Veja você. Se olhe no espelho, desligue a TV. 
Cultive a semente do bem. Um pão que se divide nos une."

"Revelação" é a faixa quatro, com presença do Funk Buia, do grupo Z'Africa Brasil, Bocato, Gabriel Rosati e o grupo Vopo (Vozes Poéticas), um hino que injeta animo para encarar mais um dia na insana luta cotidiana, um rock pulsante com riffs ragga que ajudam a transmitir a a mensagem de resistência e luta.

"Sorrir quando acordar! Levantar a cabeça, e respirar pureza!
Escolhi enfrentar, escolhi enfrentar, escolhi enfrentar. Conquistar superação.
Sintoniza a força. Feche os olhos, abra mente.
Grave pro sub, sempre consciente.
Em busca da verdade, em busca da verdade, em busca da verdade,
ver além, REVELAÇÃO.

Seguindo tem o som "Raízes Fortes", o ska/punk do Asfixia, também com o mano Bux, e aborda a as raízes entranhadas no seio da história fazendo mau a sociedade, crianças, meio ambiente, lucrando com essas ações, negligenciando a vida e quando questionados mentem sobre o assunto e vendem a solução:

"Sistema milenar! Fria matemática.massônica!
Sistema milenar! Espalham a peste pra depois curar!
Corporações que mentem, planejam o pesadelo!
Corporações que matam, controlam pelo medo!
Vamos cobrar, vai ser cobrado, em cada ação, evolução!
Bater de frente é necessário! Raízes fortes, nunca param!"

Depois o rapper GOG, poeta do rap nacional, soma na faixa "A Cara do Inimigo", que também teve lançamento aqui pelo site, confira aqui, e traz o DJ Tano, do grupo Z'Africa Brasil e o Vopo (Vozes Poéticas), e que como o nome sugere, nos chamas para (re)conhecer a cara do verdadeiro inimigo:

"De volta às ruas após condenação por tráfico de pensamentos.
Vejo armas, dinheiro, prostituição, álcool e necessidade.
É assim: quem cria a miséria exibe com sobra.
É o comércio do erro sorrindo no seu enterro. Se liga...
Tentar a sorte aqui é azar. Do lado errado é a morte.
O sistema armado é forte, e é preciso de se organizar.
Tá passando o efeito, abstinência de Asfixia!"

Na música sete, "Falsidade Ideológica", com participação do Bux, ao som do punk rock a banda fala das mentiras armadas por políticos, artistas, redes de TV, policia, estado e outros setores da sociedade que têm o objetivo de fazer a manutenção do status quo e manipular a população:

"Um circo montado, idolatrado pela multidão. A inspiração da sua vaidade.
Mas todo mundo sabe, cê não fala a verdade. Comprometido com o disfarce... Plin! Plin!
Eu tenho nojo da sua falsa caridade na televisão! Nojo da sua falsa simpatia!
Eu tenho nojo da tua hipocrisia e opinião! E se eu te perguntar cê vai dizer:"

A faixa seguinte é "Quem Sobra" traz uma critica ao jogo do poder, dos dólares, aos poderosos que são apaixonados pela ambição, tirando dinheiro o dinheiro que poderia ser usado para o bem comum e que fatalmente convertido para o usufruto próprio. Novamente com as participações do DJ Tano e do Bux:

"E a fome nunca acabará, o motivo é claro:
É pra servir tipo ameaça pra quem já teve a cabeça sequestrada, lobotomizada, extração cerebral, do tipo energia negativa pro indivíduo ter medo e não se coletivizar,
Impregnada na cadeia alimentar.
De 7 bilhões, agora sobram 1, 2.
3 bilhões de pessoas na lista.
pode peneirar, vamo ver quem vai sobrar.
dólares, trilhões, a perder de vista.
pode jogar, que os manos vão se matar"

A penúltima canção é "Nóis Tem a Vós" faz a conexão Brasil/Cuba, com o rapero El Cepe, do grupo La Invaxión A Occidente, em letra que traz a reflexão como tratamos nossa história, nossa raiz, e as referências que constroem a identidade de um povo, seja no Brasil, Cuba ou qualquer lugar no continente latino ou no mundo, além de El Cepe, participa Bocato, no trombone, o trompetista italiano Gabriel Rosati e Rafael Franja na percussão:

"Vai ter que ter disposição, não tá na mão,
mas pode procurar que vai encontrar seu irmão.
Então só pra constar: o submundo reescreve sua história,
que quem explora a superfície morre e não vê."

"Do Começo ao Fim" fecha o álbum, e traz o Garoto Podre Mao, num punk rock sobre a caminhada que não tem fim e juntar força para revidar os golpes que vida dá e olhar ao redor para que juntamos forças e seguimos de pé:

"O sentido. O começo. Os meios e os fins da vida.
Da corrida do ventre ao caixão, Contados os dias.
Revelam-se lutas, escolhas, e o embate é vital. Vital!
Do começo ao fim condenados ao Caos! Eu não aceito a sentença!"

E o álbum trás essa comunicação com os jovens da periferia, a necessidade de contar uma história pautada pela identidade cultural, juntando amigos na caminhada, resistindo e lutando dia a dia e celebrando a cada pequena conquista. Sistema de Som(a) é um disco que a quebrada construiu, seja pela inspiração poética ao pela ação direta dos diversos artista que fizeram parte do coletivo desse álbum, que também é da rua para rua, mas também é do digital para rua, para sairmos de nossas bolhas virtuais e respirar a vida que sopra.

Abaixo a playlist com as músicas que já foram disponibilizadas nas plataformas digitais:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad

Páginas