Entrevista com a banda Partigianos - Submundo do Som

Breaking

Home Top Ad

Post Top Ad

quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

Entrevista com a banda Partigianos


Salveee! O Submundo do Som trocou uma ideia com os camaradas Partigianos, banda que faz um resgate de hinos revolucionários e antifas em versões folka punk. Canções comunistas, socialistas e anarquistas estão no disco Frente de Batalha, lançado recentemente em vinil, são ferramentas de resistência para os dias de hoje. Confira o bate papo:

Submundo do Som - Primeiramente obrigado pelo papo, é um prazer imenso essa troca de ideia com camaradas. Se apresentem pra nós por favor, quem é a banda Partigianos?


PartigianosO prazer é todo nosso de falar um pouco sobre os Partigianos e do nosso álbum Frente de Batalha para Submundo do Som. O Partigianos são Dora no vocal, Pepeu no baixo acústico, Beta no violino, Gustavo no acordeon, André na bateria, Vlad no violão e vocal e David na guitarra. É uma banda que surge com a ideia de tocar músicas e hinos históricos anti fascistas, tanto anarquistas, socialistas, comunistas, basicamente de esquerda. Músicas que foram e são extremamente importantes no combate ao fascismo no mundo todo, e esse resgate histórico é o proposito do Partigianos. Estamos começando a trabalhar com músicas que abordam outros temas também como sindicatos, união do frontes, lideres importantes da esquerda, mas essas vão ser gravadas mais adiante. 

Submundo do Som - Como vocês definem o estilo musical da banda? É um grupo variado com acordeon, violão e violino além do clássico guitarra, bateria e baixo, como vocês classificam a banda?

PartigianosÉ difícil de definir, acho que poderia chamar de polka punk, mas ao mesmo tempo tocamos ritmos e músicas que não tem muito haver com a polka, acho que um termo mais abrangente seria folk punk, mas acho mais interessante o pessoal ouvir as nossas músicas que já estão no deezer, spotify, tem nossos vídeos também no youtube para conseguir definir.  

Submundo do Som - Além das causas sociais e as lutas proletárias, quais são as influências da banda, falando de artistas, músicas e personalidades notórias?

PartigianosSão muitas influencias de cada um da banda, um rio...  tem gente que toca e ouve crust punk, metal, hardcore, psychobilly, MPB, música folk grega, sueca, tem influencia de música erudita... é um salada... então realmente até voltando a pergunta anterior é bem difícil de classificar o estilo da banda. O que une todos são o ideal de esquerda e antifascista. A gente é muito influenciados pelos grandes lideres anarquista, socialistas e comunistas. Lenin, Marx,  Bakunin, Che Guevara, Durruti escritores como Galeano, Humberto Eco, Brecht muitos artistas nacionais, escritores... realmente é uma gama muito grande de pensadores, músicos 

Submundo do Som - E como surgiu a ideia de fazer versões dos hinos de resistência? E como foram escolhidas as músicas para o álbum Frente de Batalha? 

PartigianosA ideia surgiu muito pelo cenário atual da politica e da sociedade brasileira, a música tem uma importância gigantesca em toda luta libertária, de resistência e de reação. Observando o fascismo se desenhando no nosso horizonte resolvemos montar o Partigianos e fazer essa pesquisa histórica de músicas que foram importantes para resistir e derrotar o fascismo. As músicas que entram no EP eram as que estavam mais finalizadas, e prontas para serem gravadas, mas também músicas que tem identidade forte com temas que são caros para nós, como luta pela terra, a importância da greve e músicas que fizeram parte de frentes de batalha em todo o mundo. 

Submundo do Som - O disco saiu num belíssimo vinil vermelho, com os lados foice e martelo reunindo 7 canções, e também no formato digital. O que o álbum Frente de Batalha representa na vida e carreira dos Partigianos?

PartigianosMuito obrigado, e realmente ficou bonitão e é motivo de muito orgulho, importante lembrar o selo que lançou esse material a Neves Records, que vem lançando muito material importante para a luta libertária, vale a pena procurar na net o site deles, e também os artistas responsáveis, pela capa o Marcial Balbas, pelo encarte, a Roberta Roux e o fotografo Rene Ernest, pela gravação o Thomas "Indio Véio" Jeferson. A importância do frente de batalha pra nós é muito grande, é um começo, queremos gravar mais material que já temos pronto e continuar fazendo essa homenagem a músicas tão importantes de artistas fenomenais como Chicho Sanchez, Carlos Puebla, José Pinto do Movimento Sem Terra e também vamos fazer muitas músicas da luta latina e brasileira. 

Vinil Frente de Batalha, lançado pela Neves Records

Submundo do Som - Como vocês vêm a música, principalmente aqui no Brasil, no combate a esse cenário politico desolador que estamos enfrentando?

PartigianosA música, toda a forma de cultura, toda expressão artista são extremamente importante. Tenho observado isso nos shows do Partigianos, pessoas que muitas vezes não se identificavam com pautas da esquerda entendendo quase que por osmose é importância da liberdade e das lutas sociais. E cada individuo é tocado por um tipo de arte, por uma manifestação cultural, então você levar essa mensagem a todos os grupos sociais pela arte é imperativo. Nós somos parte da solução, inclusive todos os sites que divulgam essa arte, como o Submundo, são a maior ferramenta para essa luta. E nós vamos ganhar.  

Submundo do Som - A banda por ter uma postura a esquerda, e sobretudo cantar hinos antifas, deve ter gerado desconforto em vários pessoas, tanto comuns, os "cidadãos de bem" que devem ter se sentido chocados com a proposta da banda, ou pares ligados a música que têm uma orientação mais conservadora, como é essa relação entre a banda e essas pessoas?

PartigianosAs vezes acontece alguma coisa, a gente ouve algum burburinho, comentário em post, mas estamos tendo um apoio sensacional de quem chama o Partiganos para tocar. Por exemplo uma cervejaria que chamou a gente para tocar, mas os clientes se queixaram que não estavam contentes com a proposta da banda, e a cervejaria disse então que eles não voltassem mais, pois a banda continuaria tocando no local. Vivemos numa cidade extremamente conservadora e aqui, quando tocamos em locais que deduzimos que sejam mais hostis, estamos tendo surpresas muito boas. A música muitas vezes quebra essa barreira, desarma os preconceitos. 

Submundo do Som - E por ser uma banda conceitual, muitos festivais devem pedir a presença dos Partigianos, devido a toda estética, filosofia e representação, mas vocês acham que o conceito da banda fecha as portas, quanto a casas de shows e eventos?

PartigianosPode ser, pode ser que as casas fechem as portas, são casas e eventos que de certa forma compactuam com o fascismo, aí também não fazemos questão de tocar nesses locais, nós viemos pra destruir eles. 

Foto: @partigianos

Submundo do Som - Como vocês vêm essa guinada mundial para a extrema direita, o Brasil acenando para o fascismo, onde as periferias acabam apoiando e aplaudindo ações bizarras desse desgoverno, e a "caça ao comunismo" que esses que hoje estão no poder pregam? Qual a visão sobre isso?

PartigianosÉ a vitória da propaganda da extrema direita, que sempre esteve aí, sempre tivemos programas na televisão aberta que pregavam que bandido bom é bandido morto, que nunca apresentaram nenhuma saída para a desigualdade social que não fosse enriquecer mais os ricos, para um dia quem sabe eles precisarem contratar mais. O cinema sempre esteve infestado do discurso fascista, do herói milionário benevolente, Rambos justificando os golpes na America Latina, fora a televisão brasileira e a western media sempre foi propaganda anti comunista, não interessa se é a BBC ou DW, Globo ou Fox News, o discurso sempre foi anti comunista, sempre foi anti povo e liberdade. E os donos do capital num momento de crise, como que estamos passando agora, sempre apelam para o fascismo. A nossa luta é mostrar que tem outro caminho, o caminho da solidariedade em vez do caminho do egoismo, o caminho de justiça social e não o caminho da acumulação. O caminho da liberdade, da fraternidade e da união entre os povos. 



Submundo do Som - A banda é de Curitiba, local emblemático do país, politicamente falando, e existe uma generalização sobre o sul do pais ser mais alinhado com os ideais fascistas, e sabemos que há muitos focos de resistência na região, como a banda comprova. Qual a opinião de vocês, sulistas, sobre esse ponto? e como enxergam essa generalização?  

PartigianosDa até uma tristeza tocar nesse ponto, o sul é muito característico pela imigração de massas de europeus que saíram miseráveis da Europa rumo ao desconhecido, chegaram aqui para serem substitutos da mão de obra escravizada de povos que foram tirados da africa e trazidos contra a vontade. Muitos com ideal social democrata, socialista, comunista e anarquista (vide a Colonia Cecília uma das maiores experiencias anarquistas de todo o mundo que fica a 100 KM de Curitiba). Mas parece que esqueceram essa história. Hoje descendentes de imigrantes, que chegaram aqui com uma mão na frente e outra atrás, são contra a vinda de outros imigrantes, não tem um minimo de empatia pela sua própria história e não se sentem brasileiros, não vem o irmão negro, índio como fazendo parte do mesmo povo, e ainda por cima tem o preconceito social que existe em todo o país. Mas através da música, da arte e de muita conversa vamos mudar o sul para região progressista porque sempre tivemos essa vocação.     

Submundo do Som - Seguindo uma tradição das entrevistas do Submundo do Som, sempre pedimos uma indicação do convidado para ampliar os horizontes do nosso público, por favor, indiquem para nós 1 Filme, 1 Livro, 1 Disco e 1 Artista que vocês achem interessante que galera conheça.

PartigianosMaravilha vamos lá:

1 Filme - Um Cabra Marcado para Morrer do Eduardo Coutinho ou Bacurau filme que todo o Brasileiro deveria assistir. 

1 Livro - Veias Abertas da America Latina do Eduardo Galeano

1 Disco - Rolando Alarcon - Canciones de La Guerra Civil Espanhola - que foi base de estudo do nosso disco Frente de Batalha

1 artista - banda Decadência:

Decadência - Decadência - [TENDA] - 260

Submundo do Som - Quais os sonhos que a banda ainda pretende realizar na caminhada pela música?

PartigianosSão muitos, mas o principal é levar mensagem de igualdade, solidariedade e justiça social para todos os lugares que tivermos espaço, e também a mensagem que não estamos sozinhos e que juntos somos mais fortes. E quando falamos isso não é figura de linguagem, os motoristas de UBER deveriam se unir para exigirem melhores condições de trabalho, assim como os entregadores de comida, o sindicato, a união dos trabalhadores é de extrema importância para não serem mais explorados.  

PartigianosE para quem quiser acompanhar mais de perto o trabalho da banda Partigianos, quais são os canais de comunicação?

Usamos o facebook e o instagram como canal de comunicação. 

Facebook:

Instagram: @partigianos

Ouça o álbum Frente de Batalha:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad

Páginas