Acontece

[Acontece][bsummary]

Resenha de Discos

[Resenha de Disco][bsummary]

Se Liga!

[Que Loko][bigposts]

Internacional

[Internacional][twocolumns]

Entrevista | “Não só apontar o caos mas ajudar de alguma forma a achar saídas”, Letícia Luppi fala de “Despertar”, música com o produtor Bas-Fond

Letícia Luppi: Foto Divulgação

O projeto Bas-Fond segue de vento em popa, e em seu último lançamento o produtor faz conexão com a Zona Leste de São Paulo. De São Mateus, Letícia Luppi vem contundente nos convidando para um “Despertar”!


Se você ainda não conferiu os trabalhos anteriores do Bas-Fond, corre no YouTube ou plataforma digital de sua preferência e conheça. O projeto é fora da caixa e não se acanha no experimentalismo fazendo uma grande comunhão universal da música. E quando digo universal não é somente devido as influências que vão da cena industrial inglesa ao pop estadunidense, passando pelo dub caribenho, mas universal pois reúne artistas espalhados pelo globo, com contribuições de franceses, colombianos e canadenses, só para citar alguns.


Em “Despertar”, a contribuição vem de uma periferia paulista, com a jovem de 25 anos, Letícia Luppi, quem começou a tocar violão com apenas 10 anos de idade e com facilidade pra compor e incentivo de amigos, iniciou sua carreira na música.


Luppi apresenta trabalho autoral desde 2015, e em 2020 passou a divulgar o trabalho com mais afinco e nesse período fez shows em Casas de Cultura, Escolas Locais, Parques, Bares, Saraus e Slans. Seu som tem base na MPB, na voz e violão, mas também é mesclado com algumas influências: "Fiz muito show em evento voltado ao Rap, mesmo que meu trabalho seja mais puxado pro MPB. Meus sons tem uma pegada muito social, de um pensamento coletivo”, comenta a artista.


Ainda sobre as suas influências, Letícia Luppi contou para o Submundo do Som sobre suas origens: “Quando pequena, meus pais se dividiam muito no que ouvir. De músicas internacionais pela parte do meu pai, veio muito R&B, Funk, Soul. Eu não sabia muito do que eles falavam quando criança, mas ficava muito envolvida pelo ritmo, pela energia do som.


Já pela minha mãe foi mais o nacional, puxando muito o Rock e MPB, já me dando uma visão mais ampla sobre alguns assuntos importantes. Depois em família veio o Samba, Sertanejo raiz, que me fizeram ter um pouco de start da musicalidade brasileira. Já na adolescência, vieram o reggae e o rap que só me deram mais bagagem e paixão pra entender cada estilo e o seu peso musical”.


Foto: Divulgação: Letícia Luppi

Além das raízes musicais, Luppi carrega em suas composições a sua área, tendo como inspiração a observação de seu meio-ambiente, transformando em música o que vê ao seu redor: “Viver na periferia abre muito fácil os seus olhos pro mundo. Sem falar também da história da minha família, de pessoas fortes com histórias de superação e força. Acho que foi daí que me inspirei a querer colocar a voz pro mundo”.


Os caminhos do produtor e da cantora se cruzaram dentro da própria esfera do Bas-Fond, através de um contato em comum, o Igor Felício, que participa do projeto com a track “Vozes da Prisão” (que você confere clicando aqui). O produtor buscava vozes femininas para enriquecer a obra, Felício fez a ponte e nasceu um dos sons mais necessários desse ano de 2021, e Letícia se recorda: “Mandei alguns sons autorais meus, pra pegar uma confiança e ele curtiu. Veio conversar comigo, explicou sobre o projeto e se eu tinha interesse. Eu de primeira achei muito legal por ser algo bem diferente do que faço. Aí fomos construindo juntos o som e saiu esse trabalho. Me deu muito orgulho de participar!”.


“Despertar” tem letra impactante, é o que chamamos de "oreiada", um tema preciso e que convida à reflexão e é um instrumento de conscientização dos nossos, peguntei para Luppi sobre a inspiração para essa composição, a artista revelou que "Difícil eu dizer exatamente como veio a inspiração. Na real, quando eu escutei o beat pela primeira vez, me veio algo muito forte de que precisava ser uma letra consciente. A energia do som quase que pediu isso de mim. Aí conforme eu fui começando a escrever, foram vindo algumas ideias. De início seria só sobre apontar injustiças sociais, mas estou a um tempo também tentando arrumar formas de dar força pros nossos. Não só apontar o caos mas ajudar de alguma forma a achar saídas pra não se deixar corromper ou sucumbir a tudo o que acontece a nossa volta”.


Sem demagogia, foi massa ver Letícia Luppi nesse som, a voz, a energia e a interpretação com a alma do slam e do rap, a melodia da MPB em cima de um instrumental sórdido, tudo bem dosado, porém uma pequena amostra da artista, e aí fica a pergunta no ar, quando veremos essa mina em ação novamente? E esse não é um questionamento ao léu, sem resposta, Luppi dá a letra: “Tenho alguns trabalhos que soltarei em breve, mas mais que isso, penso muito em explorar novos ritmos, vamos ver!


Finalizando, Letícia Luppi faz suas considerações finais sobre como o projeto contribuiu para seu amadurecimento artístico: “Esse trabalho abriu minha mente de formas que não consigo nem descrever. Eu tô acostumada a fazer música com voz e violão. Depois de eu ter que sair da caixa, da minha bolha, pra fazer essa letra, me instigou muito a explorar mais o meu potencial como artista”. Aguardamos ansiosos pelos novos projetos da cantora e agradecemos demais por essa visão, enquanto Luppi também faz seus agradecimentos: “Agradeço mais uma vez ao Siloque [ak.a. Bas-Fond] e toda a equipe que fecha com ele, pela oportunidade. Agradeço ao Igor Felício por ter botado uma fé e agradeço ao Mister Becyk por ter me ajudado na gravação das vozes e mais do que isso, por ter me direcionado pra encontrar as melodias necessárias pra sair esse trampo tão bacana!”.


E para encontrar essa artista gigante nas redes, trocar uma ideia ou apenas acompanhar seu corre, só procurar por Letícia Luppi: “Estou no Instagram como @Luppiup, YouTube, Facebook e Twitter. Vai ser um prazer imenso ter trocas de ideias com quem se identificar com meu trabalho”.


Confira "Despertar", música de Bas-Fond & Letícia Luppi:

Nenhum comentário:

Postar um comentário