Acontece

[Acontece][bsummary]

Resenha de Discos

[Resenha de Disco][bsummary]

Se Liga!

[Que Loko][bigposts]

Internacional

[Internacional][twocolumns]

Batidas, Rimas e Filmes com curadoria Radiola Santa Rosa

 


Bem-vindos à amostra internacional de cinema do Radiola Santa Rosa! Caio Dubfones nos apresenta, em seu novo álbum, uma imersão por películas revolucionarias. Batidas, Rimas e Filmes homenageiam filmes, diretoras e diretores, movimentos e muitas referências as grandes telas e tal, tudo acompanhado de beats cirúrgicos e atmosféricos que nos transportam até as cenas de cada obra.


O disco Batidas, Rimas e Filmes abre com a introdução “A Terra em Perigo” que dá o tom sobre o decorrer do álbum, alertando o ouvinte sobre o que ele encontrará ao longo dos trinta e sete minutos e quarenta e quatro segundos. “Com um pé no Hip Hop e outra na Tropicália, ele brinca com o tempo, fazendo quinze anos parecerem quinze segundos”.


Em “101 Movies You Must See Before You Die”, como o título sugere, o Radiola emana 101 filmes que inspiraram e mudaram a vida de Caio, são obras estadunidenses, francesas, jamaicanas, brasileiras. Tudo em cima de um beat que lembra a bossa nova ao mesmo tempo que tem o swing e grave do Hip Hop.


Na faixa três, “Tongues Untied”, a batida densa os scratches e a atmosfera sombria é para referenciar o documentário experimental dirigido por Marlon Riggs, do ano de 1989, interrogando as contestações raciais e sexuais na América. “Glorioso Marlon Riggs, que nos deu tanto, reflexões valiosas, como um manto, que nos protege da obscurecência, sensibilidade humana exponencia, numa língua livre e afiada que põe o papel do macho como uma piada, de mau gosto, de longos de tempos, uma máquina de destruir sentimentos”. Clique aqui para o sownload do torrent do filme.


Na sequência a vinheta “W.R”, remetendo ao filme Mistérios do Organismo, de 1971 do diretor Dušan Makavejev, uma obra polêmica que aponta teorias e terapias de um dos maiores apoiadores da liberdade sexual, o psicanalista Wilhelm Reich. O enredo se divide entre duas mulheres iugoslavas, uma adepta do comunismo, flertando com um ator russo, e estadunidenses praticantes do sexo livre narram suas vivências. Nessa track o Radiola Santa Rosa traz a atmosfera da película para dentro da música, em batida sexy e intervenções vocais alucinadas. Clique aqui para assistir ao filme no YouTube.


Indo para a faixa de número cinco, temos uma aventura francesa em “Week-End”, a qual se refere a obra de Jean-Luc Godard, de 1967, sobre um casal de caráter duvidoso que viaja para o interior do país em busca de uma herança enquanto observam várias situações, de acidentes a guerrilheiros, mostrando as mazelas do capitalismo, a luta de classe e crítica ao sistema burguês. A música tem batida forte e melodia tensa para transmitir o caos da película: “Em um filme perdido no cosmos, num ferro-velho, perdido entre destroços, entre acidentes, SuperAni, do começo ao fim a confusão é emininente”. Clique aqui para baixar o torrent do filme.


Dog Star Man” se inicia com graves e scratches para referenciar essa obra sobre a origem do universo. Stan Brakhage produziu o filme entre 1961 e 1964, pois na verdade se trata de cinco curtas experimentais divididos entre um interlúdio e quatro episódios, que sempre são exibidos juntos e na sequência sobre o título “Dog Star Man”. A música começa sombria, com scratches e doce melodia que se interpolam ao sample da película. “Uma série de curtas-metragens formam um longa que tem as imagens, mais experimentais de cujo as quais Brakhage revolucionou as artes visuais”. Clique aqui para assistir o filme no You Tube.


Dessa amostra mundial de cinema do Radiola Santa Rosa, uma das faixas que mais curti foi “Wanda”, a qual faz alusão ao filme de 1970 da diretora Barbara Loden, a qual também atua interpretando a protagonista Wanda, que vive na Pensilvânia, próxima a uma mina de carvão, e a história se passa após largar o marido e filhos e se entregar à bebida e se envolver com um ladrão. A letra narra bastante sobre os bastidores do filme: “Corajosa Barbara Loden, é Wanda, cineasta e atriz, desse drama, filmado em 16 magistralmente, colorido e granulado esteticamente, mesmo que seja uma história triste, elegante esse filme é algo que resiste, ao tempo, e não será datado, e no futuro ainda será arrojado”. Clique aqui para baixar o torrent do filme.


Passando para a segunda metade do álbum, a track “Dersu Uzala” que remete ao filme de 1975 dirigido pelo japonês Akira Kurosawa e conta a história de uma tropa soviética nas montanhas da Mongólia e lá conhecem e aliam ao caçador Dersu, o qual conhece bem o território. A música é suingada e o destaque é para o groove do baixo e os scratches. “O caso profundo sobre a amizade, a sobrevivência e a humanidade, a sabedoria de viver na natureza, Dersu, cheio de visão coesa, com a consciência profunda de seu ser, no mundo, e parte fazer, sua vida eternizada pela memória, Arseniev nos conta essa história”. Clique aqui para assistir o filme no YouTube.


Logo na sequência vem “Dersu Uzala Funky Space Reincarnation”, um funky que mescla a selva de Dersu com a selva de pedra, a música dos anos 70 e 80 misturadas com a ambientação cinematográfica das florestas mongóis. A faixa é instrumental e narra cenas através do baixo viciante e os riscos cirúrgicos.


Na faixa dez, temos “Stalker”, película de 1979 dirigida por Tarkovski e conta uma história sobre um meteorito que, vinte anos atrás, cai em um país não nomeado, gerando uma área onde as leis da física e geografia são nulas. O local é batizado de Zona, e uma lenda diz que o local tem um quarto que realiza desejos. A Zona passa a ser protegida e invadida desenrolando a trama. A música é densa com timbres oitentistas e que rementem a sensação de mistérios intergalácticos. “Dizem que foi um meteoro, mas ninguém o achou, e que um habitante do abismo cósmico que o proclamou, do milagre o crescimento da Zona, um mistério e um tormento, parte da floresta, cordões de isolamento protegem as pessoas do mistério que há lá dentro”. Clique aqui para baixar o torrent do filme.


La Planète Sauvage” é uma homenagem a animação dirigida pelo francês René Laloux. Em português a obra é intitulada como “Planeta Selvagem” e narra uma revolução no planeta Ygam onde há uma raça de humanóides, chamada Oms, que é mantida como animais de estimação dos alienígenas Draags. A música aborda a moral do filme sobre como tratamos os animais e plantas. “A primeira cena uma mulher que corre carregando seu filho no maior corre, escapando de uma mão super gigante, que numa brincadeira cruel a mata em um instante, foram crianças ET’s, mas deixaram vivos o bebê, recuperado por um pai e uma filha, que o levaram para o seio da família, para ser o bicho de estimação”. Clique aqui para download do torrent do filme.


A penúltima faixa é a canção “Terra em Transe”, sobre o filme brasileiro de 1967, de Glauber Rocha, sobre uma trama política e amorosa no fictício país sul-americano Eldorado, enquanto o líder atual odeio seu povo, vários outros tentam assumir o poder. A melodia alegre é mesclada com elementos sombrios e tensos gerando um híbrido de sensações que somente o Brasil pode proporcionar. “Imagem área, do mar e da serra, inicia o marco de uma era, alternando a maravilhosa banda de sons, entre Villa-Lobos e a Umbanda, retrata a tensão no ar, precisamos resistir e eu preciso cantar”. Clique aqui para assistir ao filme no YouTube.


Fechando o álbum Batidas, Rimas e Filmes tem a música “Killer Of Sheep”, com beat suavizado, hipnótico e atmosférico, homenageando a película de 1978, que em nosso país é chamada de “Matador de Ovelhas”, dirigido por Charles Burnett. O drama aborda um trabalhador de um matadouro e considera seu emprego repugnante, mas tem que deixar de lado suas emoções para levar o sustento à sua família. “Entre a Blacksploitation e Spike Lee, Charles Burnett criou um diamante negro, politico e cultural, cada segundo é precioso em audio e visual, tesouro, elegância em branco e preto, o blues que embeleza o gueto, de Watts, California, L.A., é um lugar austero como um rei”. Clique aqui para o download do torrent do filme.


O Radiola Santa Rosa nos apresenta uma obra revolucionária, rap de nerd, educativo, contestador e incendiário, assim como a mente criativa e inquieta de Caio (e se quiser conhecer mais desse irmão, clique aqui e confira a entrevista para o podcastSubmundo do Som Entrevista).


O MC do Radiola nos contextualiza sobre a sonoridade, “um rap cru, que mistura batidas sujas, colagens absurdas, riffs de guitarra e barulhos típicos de "Jimmy James", dos Beastie Boys — uma clara influência do trampo, pelo menos para mim”, o que faz com que o álbum soe começo ao fim como um clássico noventista.


Um comentário: