Lançamento

[Lancamento][bsummary]

Acontece

[Acontece][bsummary]

Resenha de Discos

[Resenha de Disco][bsummary]

Se Liga!

[Que Loko][bigposts]

Internacional

[Internacional][twocolumns]

Xemalami Coloca as Peças no Tabuleiro - En Passant é Novo EP do Grupo

 

No xadrez, En Passant é um movimento especial de captura do peão, onde este pode capturar o peão adversário durante sua passagem. E baseado nesse movimento que o grupo Xemalami (Xeque Mate La Missión) apresenta seu novo trabalho: o EP En Passant.


O título, muito bem pensado por sinal, faz uma analogia a passagem pela vida, pelo dia a dia, e tudo aquilo que capturamos nessa caminha, seja através dos olhares, corres, conversas ou ensinamentos didáticos. O Xemalami tem uma relação íntima com o xadrez, utilizam o jogo como ferramenta de transformação social, assim como o Hip Hop, tanto que o nome do grupo é inspirado na missão da atividade no tabuleiro. O Submundo do Som Entrevistas bateu um papo com o Xemalami onde o grupo falou de sua trajetória e você pode ouvir aqui.


É baseado nessa relação com o xadrez que o EP se inicia com a faixa “(Im) Prudência”, onde são traçados paralelos entre o jogo e a vida, bem como mostrando como os ensinamentos do tabuleiro podem ser aplicados na vida. E por isso título, remetendo as consequências das ações cotidianas, que podem ser feitas com prudência, ou não.


Já na faixa seguinte, “O ‘Não’ Vai Fortalecer”, a qual traz a participação de Gor Flow, o grupo fala sobre os “não” da vida e como as negativas que recebemos no cotidiano, no fundo, acabam ajudando na evolução, pois fazem parte do aprendizado, como o refrão bem sinaliza: “Não custa nada tentar, nóis vai lutar para vencer, temo a certeza do não, o não vai fortalecer,  oportunidade inteira, não desistir de sonhar”. É como não conseguir capturar aquela peça, ter que recuar, se organizar e para aí sim atacar novamente.


Por Um Bem Comum” é a faixa três, que ganham a adição dos versos melódicos de Meg Pedrozzo para falar das “muitas coisas de barrio”. Apesar de ambientada na área do grupo, o Grajaú, a música aborda sentimentos comuns de qualquer quebrada, principalmente o sentimento de coletividade, como no trecho: “Andando pelas ruas do Graja, com meus camaradas, então me sinto em casa, Xemalami tá na praça!”. Como aquela peça encurralada, mas que pelas verticais, horizontais ou diagonais chegam os aliados para somar e as vezes até se sacrificar por um bem comum.


A faixa quatro é um olhar para o comportamento humano, as travadas que vários manos e minas dão perante as situações da vida e traz participação de Cado Torre. É estar encurralado por peças adversárias e conseguir escapar. Pois como o refrão fala: “Então se trava, dixava, e se dixava destrava, então se trava, destrava...”. Trava Língua segue como uma orelhada para a postura e o peso da palavra para que meçamos o que será dito, para que não diga “xeque-mate” onde não existe.


Fechando o EP temos a faixa “Buena Planta”, em cima de um beat ragga, onde o Xemalami fala da hipocrisia da sociedade que criminaliza a erva e ao mesmo tempo exalta as propriedades medicinais e naturais da planta, como sua característica de calmante. O refrão envolvente mostra como a marijuana contribui para o processo criativo: “meu fininho passou de mão em mão, quando chegou de volta trouxe a inspiração”. A faixa que encerra o álbum se conecta com a introdução que faz a abertura, pois volta a falar de prudência. Naquele momento de análise do tabuleiro, em que é necessário relaxar, se acalmar, para não cometer nenhuma imprudência. É crucial estar inspirado.


Xemalami: Drezz e Hyt. Foto de Ires Eloá S.

Com cinco faixas, En Passant é um projeto que se destaca na cena do rap, não somente pela excelência em lírica e flow que os MC's Drezz e Hyt apresentam, mas também por trazerem bases instrumentais que fogem do convencional, mas não fogem à essência do Hip Hop. Xemalami traz mais uma peça importante, o idioma. O álbum tem um híbrido entre o português e o castelhano, o que faz a música do Grajaú ultrapassar as fronteiras do Brasil e nos aproximar de nossos hermanos latinos. Gravado e produzido no G’79, na Zona Sul de São Paulo, e como vimos, com participações de Gor Flow, Meg Pedrozzo e Cado Torre, Em Passant se apresenta diversificado, divertido e reflexivo. Um álbum gostoso de ser ouvido.

A capa do EP é assinada por Sérgio Fantos com ilustração de Jerry Batista.


Confira Em Passant:


Ficha Técnica:

Produção, Captação, Mix e Master por: G'79 | @g79original

Estúdio: G'79

Desenho por: Jerry Batista | @instajerrybatista_oficial

Coloração e Designer Final por: Sérgio Fantos | @fantos_lion





Nenhum comentário:

Postar um comentário