Lançamento

[Lancamento][bsummary]

Acontece

[Acontece][bsummary]

Resenha de Discos

[Resenha de Disco][bsummary]

Se Liga!

[Que Loko][bigposts]

Internacional

[Internacional][twocolumns]

A De Fora É Minha | Um Prato Cheio de Viktor Arkad

 


Não é novidade que a Bahia é um caldeirão musical e cultural. No Hip Hop o fogo é alto, borbulha e a colher de pau mistura a coisa toda, sempre muito bem temperada.


Um desses temperos é Viktor Arkad, nome artístico de Víctor, que desde 2006 vem cozinhando no rap, quando lançou o disco Preparado Para Batalha com seu grupo Atitude Diferenciada. Essa era uma degustação para agora provarmos o prato principal do mestre Arkad.


O EP A De Fora É A Minha, lançado em 2022, traz no cardápio ragga, reggae, trap, arrocha, pagode, funk e afrobeat, além de referências ao samba reggae, música eletrônica e grime, tudo isso dentro de um disco de Rap.


O time envolvido na preparação desse banquete conta com a produção da dupla André That Hora e Raonir Braz, da MPN Records e do lendário Fasutino Beats. Rap com “R” maiúsculo tem que ter scratch e assim que Viktor vem, com Rap de gente grande, e quem risca no toca-discos é o DJ Poeira, tacando fogo no forno a lenha. Ainda tem as vozes de Bia Porto e Therr San, temperos agridoce dessa construção. Rafael Oliveira é responsável pela apresentação, assume o cargo de designer. Já Rafael Ramos converte a música em foto e Thássio Reis é o maître responsável por organizar a praça assimndo a direção criativa. O time se completa com Braian, do icônico grupo Filosofia de Rua Ainda, sob o nome de Vovô no Beat que captou a voz de Bia Porto e agora faz com que o mundo inteiro possa ouvi-la. E servido a cada um dos ouvintes vem Raonir Braz na mixagem e masterização.


Viktor Arkad busca inspiração nos racha, ou que se diz na Bahia: nos baba. A De Fora É Minha é campinho de terra, não é grama sintética, é pés descalços, não é chuteira de marca, é peia de time de quebrada, não de clube europeu, é trave de pau, não de ferro. É a poeira vermelha que se transforma é música e a torcida canta na arquibancada. A única falta nessa pelada é a de não dar play!


O EP abre com a faixa título “A De Fora É Minha” que tras o clima de festa em arquibancada na mistura do pagodão com o grime, e abre as metáforas futebolísticas que seguem no decorrer do álbum. Na segunda faixa “Eu e VC”, em Viktor aposta em uma love song que bebe do experimentalismo em uma espécie de arrocha-trap. Seguindo, a música “Sextoou”, que como o nome sugere é um brinde ao final de semana, a noite, a dança, e o instrumental  com reggaeton, afrobeat e uma pitada de samba-reggae vem na dose certa.


A faixa quatro é “Minha Fé”, um clássico e ousado Rap, boombap de raiz e o moderno Trap bem temperados com elementos do Samba e do Funk, batida tensa e dançante. Na sequência temos a penúltima canção “Game On” a mais suingada das tracks e que sintetiza bem a atmosfera do álbum: a diversidade, a guitarra soando ao fundo, o Trap, o Funk, a música eletrônica, tudo cozinhado no mesmo vapor. Fechando o EP vem a música “Vivendo a Vida ao Vivo” é outra faixa pra cima, a suavidade do clap e atmosfera do reggae se alternam com a caixa e os chimbais característicos do Trap para uma letra que, como o nome o entrega, fala de viver a vida longe da conectividade toxica que muitas vezes as redes, que deveriam ser sociais, oferecem.


A De Fora É Minha não é fast food, é para apreciação requintada. Teve preparo cuidadoso e o resultado é sofisticado, cinco estrela. Mas também é comida de praia, brisa na cara, ceva gelada, preta do lado, resenha com os camaradas, pé na areia. A sonoridade pesada e dançante, adicionada as letras conscientes e contundentes é a deixa para os DJs que dormem no barulho rolarem nos bailes, não só de Salvador, mas de qualquer parte do globo. Meus cumprimentos ao chefe!


Nenhum comentário:

Postar um comentário