Lançamento

[Lancamento][bsummary]

Acontece

[Acontece][bsummary]

Resenha de Discos

[Resenha de Disco][bsummary]

Se Liga!

[Que Loko][bigposts]

Internacional

[Internacional][twocolumns]

Livro Champignon | Pedro de Luna Troca Uma Ideia Sobre o Projeto e o Financiamento Coletivo

 


O Charlie Brown Jr é umas mais marcantes bandas de rock de nosso país. Em 2013, o grupo perdeu dois de seus mais emblemáticos membros: o carismático vocalista Chorão, e o talentosíssimo baixista Champignon.


O escritor, jornalista e quadrinista Pedro de Luna, autor das biografias do Planet Hemp, do rapper Speed e do artista Gilber T, – além de tantos outros livros - agora nos conta a trajetória de Champignon, do Charlie Brown Jr, da cena santista e dos últimos 30 anos do rock brasileiro, tudo isso através da incrível história do baixista.


O livro “Champ” aborda a vida e a carreira de Luis Carlos Leão Duarte Junior, que desde pequeno se mostrou um exímio baixista. A obra passa pelas primeiras bandas do baixista, a amizade com Chorão, a formação do Charlie Brown Jr. e as muitas histórias de bastidores que envolvem a banda e o músico.


Para viabilizar o projeto, o livro está com financiamento coletivo na plataforma Kickante (clique aqui e conheça e contribua). Adquirindo o livro na pré-venda, além de ajudar a idealizar a obra e fazer essa homenagem ao grande Champignon, o apoiador terá seu nome nas páginas de agradecimentos e ajudará a CVV, Centro de Valorização da Vida.


E ninguém melhor do que Pedro de Luna para falar sobre o livro e a campanha de crowdfunding. O autor bateu um papo com o Submundo do Som e revelou mais detalhes dessa fantástica iniciativa. Confira:


Submundo do Som – Pedro, para quem adquirir o Champ, o que vão encontrar nas páginas do livro?


Pedro de Luna - Muitas boas histórias, informações importantes, fotos inéditas e muita emoção. O livro traça toda a história profissional do Luiz, desde o início ainda criança, as suas primeiras bandas, o sucesso com o CBJr, a saída dele, do Marcão e do Pelado em 2005, a consequente formação dos grupos Revolucionnários, Music Legends e Nove Mil Anjos, o retorno ao CBjr, a tentativa de seguir adiante com A Banca e o que aconteceu após o suicídio.


Como em todos os meus livros, tudo é sempre contextualizado, mostrando o que acontecia na cena, na imprensa, nas rádios, na MTV, com bandas parceiras e nas indústrias fonográficas e do entretenimento, focando no surgimento e crescimento dos festivais de pop e rock e dos grandes eventos de marca.


Champ com 10 anos de idade mostrando seu talento.

Submundo do Som - O baixista é figura chave no Charlie Brown Jr, mas quando se fala da banda logo se imagina o Chorão. Como surgiu a ideia de escrever sobre o Champignon?


Pedro de Luna - Sim, a primeira formação do CBJr é Chorão, Champignon e outros caras da cena santista que são pouco conhecidos do grande público por que não gravaram no primeiro CD. As entrevistas e as fotos deles são sensacionais! Quando o vocalista e o baixista se conheceram, o Champ tinha apenas 12 anos de idade, mas o Luiz já era um instrumentista formidável, autodidata e que tocava vários instrumentos, com experiência tocando na noite e numa outra banda local chamada Mr. Green.


Quando eu estava rodando pelo Brasil com o meu livro “Planet Hemp – Mantenha o Respeito” (Belas Letras, 2018, 486 páginas) e, depois, com o do Speed, as pessoas me pediam para escrever sobre outras bandas dos anos 1990 como Raimundos, O Rappa e Charlie Brown Jr. Até que em algum momento duas ou três pessoas sugeriram biografar o Champ. Achei interessante por ser uma história pouco conhecida e, mesmo tão premiado, ainda não ter o reconhecimento à altura.


A partir da história do Champ eu também pude mergulhar na cena da baixada santista, do próprio CBJr, das gravadoras, da indústria fonográfica e de eventos, e colocar mais uma peça neste pouco pesquisado e pouquíssimo documentado quebra-cabeças de bandas de rock nacionais dos anos 1990 e 2000.


Chorão e Champignon na primeira formação do Charlie Brown Jr

Submundo do Som - E para contar a história do músico, quais os caminhos que você percorreu?


Pedro de Luna - Foi um desafio e tanto, partindo quase do zero. Eu não tinha recursos financeiros nem humanos e comecei usando as pesquisas de livros anteriores. Depois, mergulhei em jornais, revistas, vídeos, flyers, credenciais, acervo de fãs e, claro, entrevistas. Foi o meu primeiro livro escrito na pandemia, então tive que fazer tudo à distância, com entrevistas por telefone, e-mail e WhatsApp.


Outra dificuldade foi encontrar aspas do Champ, porque em quase todas as entrevistas o foco é o Chorão, o microfone está sempre com ele. Então agradeço demais ao pai do Champ e a irmã Eliane, ao produtor Tadeu Patolla, aos integrantes dos fãs-clubes Champirados e Aquela Paz (o primeiro do CBJr) e a todas as dezenas de pessoas entrevistadas para o livro.


A cereja do bolo é a cronologia que eu montei com muito custo listando shows, prêmios e outros marcos do Champ, do CBJr e das suas outras bandas. Está tudo ali no final do livro em ordem cronológica, organizado por dia, mês e ano. Um material riquíssimo para outros escritores, jornalistas, fãs e pesquisadores.


Submundo do Som - A capa do livro é bem bonita e chamativa, comenta um pouquinho sobre a foto e a escolha dela para a obra.


Pedro de Luna - A capa é sempre uma escolha difícil, mas desde o início eu queria uma do Champ com o seu contrabaixo. No ano passado, quando tentamos viabilizar o crowdfunding, fizemos uma votação com os colaboradores. Havia uma opção com o Champ em 1998 de macacão vermelho e essa dele mais velho posando em estúdio. As duas fotos são do Marcos Hermes, um grande fotógrafo amigo meu e que, entre outras coisas, fez as imagens pro CD do Revolucionnários.


O nome do livro também surgiu facilmente por que além de ser o seu apelido, Champ significa “campeão” em inglês e outros idiomas. Para mim, o Champignon foi um vencedor, um artista que realizou o sonho de criança, mas foi vítima de depressão, do cancelamento por parte dos fãs haters e que sofreu muito com a morte do Chorão.


Champignon assinando contrato com a Virgin.

Submundo do Som - Pedro, pra galera que tem dúvida sobre o andamento do livro, a pesquisa está pronta, certo? Para o livro ser realidade basta atingir a meta no site da campanha e mandar imprimir correto?


Pedro de Luna - O livro está pronto desde o ano passado. Como não batemos a meta do crowdfunding em 2021, resolvi quebrar o ineditismo e comecei a enviar alguns capítulos impressos para a Lili e o Sr. Leão, que verificaram tudo e são os meus principais parceiros hoje na biografia.


Nesse meio tempo, passei um pente fino no texto, retirando excessos e focando totalmente na carreira profissional do Champ. Retirei histórias paralelas, de contextos, de outros integrantes do CBJr ou que focavam a vida familiar dele.


A versão final, que já começamos a diagramar, terá mais de 400 páginas e está incrível, com muitas fotos raras e inéditas. Quem é fã ou não do Champ vai gostar bastante, será uma edição de colecionador. E sim, só falta bater a meta, colocar o nome dos colaboradores nos agradecimentos e mandar pra gráfica.


Como não há garantias de que o livro será vendido depois em livraria, essa campanha é uma oportunidade única para garantir uma obra rara como essa.


Submundo do Som - Outro ponto da hora dessa campanha é que uma porcentagem da arrecadação será doada para o Centro de Valorização da Vida, a CVV. Queria que você comentasse um pouco sobre essa iniciativa.


Pedro de Luna - O Champ era uma alma elevada, com uma visão muito espiritualizada da vida e sem apegos materiais. Eu me identifiquei muito com esse lado espiritual dele. Então achei coerente que o seu legado também ajudasse na prevenção de outros suicídios, sobretudo dos jovens. Daí a doação de parte da renda do crowdfunding para o CVV. Também colocarei os dados bancários da instituição no livro para quem quiser doar depois.


A história do Champignon e, claro, do CBJr é importante para conscientizar as pessoas sobre os perigos das drogas, da depressão, do “cancelamento” na internet, e dos riscos que a fama traz. A biografia não tem o objetivo de dar nenhuma lição de moral, mas acho bacana que a gente use outros exemplos de vida para dar novos rumos à nossa.

 


O livro está em campanha de financiamento coletivo na Kickante, – clique aqui – apesar de pronto, é necessário verba para cobrir os custos de revisão, editoração, impressão e envio. Com a opção de recompensa “Music Legends”, você garante o seu exemplar impresso com a dedicatória do autor e o seu nome nos agradecimentos. Para aqueles que querem somar, mas estão com a grana curta, há a opção de recompensa “What´s Up” que coloca seu nome nos agradecimentos. Esta é uma tiragem exclusiva para colecionadores, mas se a meta não for alcançada o livro não será lançado, então corre lá e dê seu kick!

Um comentário: